Um site a serviço do Estado - Ano VII - Campo Grande - Mato Grosso do Sul
Canais: 
Busca rápida
Cadernos
CAPA
CLÍNICAS MÉDICAS
COMPRAS - PEDRO JUAN - PARAGUAY
ARTIGOS
SAIBA AONDE SABOREAR AS DELÍCIAS DA CAPITAL
POLÍTICA
CONSTRUÇÃO CIVIL NA CAPITAL
NOTÍCIAS/INTERNET/TEC
MUNDO
TELEFONES ÚTEIS
HISTÓRIA DA PIZZA
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
BRASIL
NOTICIAS
POLICIA
FALE CONOSCO
MENSALÃO
ESPORTE NEWS
MOMENTO DE REFLEXÃO
SALMO 23 - 25
NOTA ZERO
NOTA 10
SAÚDE
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
RIO DE JANEIRO
HOTELARIA
JUSTIÇA
ECONOMIA
HORA DO RISO/PIADAS
TRAGÉDIA
FISCALIZAÇÃO PMR
EDUCAÇÃO
OPERAÇÃO LAVA JATO
OPERAÇÃO NOTA ZERO
LAMA ASFÁLTICA
GAECO
SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA FEDERAL
OPERAÇÃO RIQUIXÁ
GGIFRON
JORNALISMO
Publicidade
Publicações
16/07/2019 10:20
Previdência é passo importante, mas não garante retomada do crescimento, dizem economistas
Política

G1

plenario_camara

plenario_camara

A reforma da Previdência é um passo importante para a melhora da atividade econômica no país, mas, sozinha, não vai garantir um crescimento robusto sustentado ao longo dos próximos anos. Com a reforma da Previdência encaminhada após a aprovação em primeiro turno na Câmara dos Deputados, o Brasil tem uma agenda extensa para a retomar o crescimento, avaliam os economistas.

A pauta de medidas engloba endereçar uma reforma tributária, melhorar o ambiente de negócios do país, avançar nos projetos de infraestrutura e promover a abertura da economia. Por ora, os analistas avaliam que uma aceleração do crescimento econômico não deve ocorrer tão cedo. Para 2019, estimam um avanço do Produto Interno Bruto (PIB) abaixo de 1%.

O relatório do início de julho de mercado, conhecido como "Focus", divulgado pelo Banco Central, previa crescimento de 0,85%. No ano que vem, há expectativa de uma aceleração, mas nada que empolgue muito. Dificilmente o crescimento deve chegar a 2%, ponderam os economistas.

A seguir veja a avaliação de economistas sobre a agenda pós-Previdência necessária para o Brasil retomar o crescimento:

Affonso Celso Pastore, presidente do Centro de Debate de Políticas Públicas e da consultoria AC Pastore

Qual deve ser a agenda do governo pós-Previdência para retomar o crescimento?

AFFONSO CELSO PASTORE: O crescimento econômico requer outras reformas. São reformas extremamente importantes, como a tributária. É a reforma como a que foi proposta pelo Appy (Bernard Appy, diretor do Centro de Cidadania Fiscal), que está na agenda da Câmara dos Deputados. Também precisamos abrir a economia para o setor externo, aumentar a competitividade da nossa indústria, fazer um forte investimento em infraestrutura. É necessária ainda uma extensa agenda de reformas econômicas que mexam com a produtividade do trabalho, com a produtividade do capital. Com isso feito, eu acho que o Brasil terá condições de adquirir um crescimento econômico sustentável.

Quando o país pode vislumbrar uma melhora do crescimento?

AFFONSO CELSO PASTORE: Nós temos hoje uma renda per capita que está 9% abaixo do patamar que ela estava no início do ciclo (recessivo, em 2014), e são 13 milhões de desempregados. Quer dizer, não podemos esperar que o consumo das famílias seja uma força propulsora da economia. O país tem uma capacidade ociosa na indústria muito grande, e a maturação dos investimentos em infraestrutura é longa, de forma que nós não temos o investimento sendo uma força propulsora. Não temos também impulso vindo das exportações. E, finalmente, não é possível usar estímulos fiscais porque o governo está fazendo o contrário, está fazendo um ajuste. Ele corta gastos. Isso significa que a recuperação da economia é lenta. Não há como sonhar uma recuperação muito forte.

Diante desse quadro, como fica o emprego no país?

AFFONSO CELSO PASTORE: Há um certo sonho de que a simples aprovação da reforma da Previdência produziria uma explosão de investimentos, e o Brasil voltaria a crescer como jamais cresceu no passado. Isso não é verdade. Infelizmente, nós vamos ver o declínio da taxa de desemprego lentamente ao longo do tempo, assim como a recuperação da renda per capita. Será mais rápido se o país andar mais depressa com as reformas, como a tributária, promover a abertura da economia, e fazer as medidas microeconômicas. Portanto, está na nossa mão acelerar essa recuperação. Se nós dormirmos na glória de termos feito a reforma da Previdência, infelizmente a recuperação será muito mais lenta.

Ana Carla Abrão Costa, sócia da consultoria Oliver Wyman  

Qual deve ser a agenda do governo pós-Previdência?

ANA CARLA ABRÃO: Há três conjuntos de reformas muito importantes. O primeiro ataca o mercado de crédito. O Banco Central já vem trabalhando nisso: há medidas que ampliam o acesso ao crédito e reduzem o custo para a população. Existem medidas voltadas para a infraestrutura. O país precisa retomar a capacidade de investimento, mas o governo federal e os estados não têm essa capacidade. O Brasil precisa atrair investimento privado e isso exige várias medidas, que também estão sendo formuladas no âmbito do governo federal e que vão ter de passar pelo Congresso. E terceiro, precisamos de reformas que tragam maior produtividade para o setor público. 

Por ora, Estados e municípios não foram incluídos na reforma. Qual é a sua avaliação sobre essa ausência?

ANA CARLA ABRÃO: A não inclusão de estados e municípios tem um impacto muito negativo que não aparece agora no curto prazo, mas que vai aparecer na frente. O déficit da Previdência dos servidores estaduais e municipais é muito grande. O economista Paulo Tafner calculou um déficit em torno de R$ 140 bilhões só em 2019. E esse déficit é crescente. Então, sem uma reforma, o que estamos economizando na reforma federal vai ter de ser desembolsado porque estados e municípios vão recorrer ao governo federal para cobrir seus déficits.

Estados e municípios vão inevitavelmente enfrentar um problema?

ANA CARLA ABRÃO: O país vai gastar lá na frente para ter de socorrer estados e municípios que vão colapsar por falta de recursos para cobrir esses déficits e, obviamente, vão bater em Brasília para pedir recursos no governo federal. Os 26 estados e o Distrito Federal precisam de uma reforma da Previdência porque, do contrário, teremos mais situações como a do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro. O problema da Previdência nos Estados está contratado. É estrutural.

Marcos Lisboa, presidente do Insper 

Qual deve ser a agenda do governo pós-Previdência?

MARCOS LISBOA: Há três áreas essenciais para avançar. Não estou falando de grandes reformas. Estou falando em fazer a faxina da casa, arrumar a disfuncionalidade em que o país entrou com uma série de pequenas medidas. Primeiro, a questão tributária. A estrutura tributária brasileira se tornou disfuncional e está asfixiando as empresas do país. A mesma coisa acontece com o comércio exterior. Tem um dever de casa de acertar as tarifas, as barreiras não-tarifárias, a burocracia do comércio exterior. Terceiro, infraestrutura. A gente não vai ver a volta do investimento em energia e transporte com a confusão que se tornou o país para investir em infraestrutura. Você começa um projeto, aí só depois vem as obrigações ambientais e sociais, que podem surpreender. Essa insegurança do investimento em infraestrutura está afastando o setor privado.

Qual será a consequência se o país não endereçar essa agenda?

MARCOS LISBOA: Se não acertar a questão tributária, do comércio exterior e da infraestrutura, a notícia é ruim. O país chegou na situação em que chegou por tentativas precipitadas de descobrir um atalho, inventar uma novidade, desonerar a folhar, dar um crédito do BNDES, dar um estímulo para um determinado setor. Essas medidas precipitadas é que geraram esse caos institucional que a gente vive no ambiente de negócios. É preciso desfazer o que foi feito na última década para que o investimento volte a crescer e o país volte a gerar mais renda. Essa agenda está demorando para avançar. E quanto mais demora para andar, piora a estagnação.

Nos últimos anos, o PIB per capita caiu e o Brasil ficou mais pobre. Como você vê isso?

MARCOS LISBOA: É bem preocupante. Já há algumas décadas o Brasil vem ficando para trás. Para dar um dado, entre 1995 e 2016, a renda dos países emergentes fora da América Latina cresceu quase 130% por trabalhador. Nos Estados Unidos, avançou 48%. E no Brasil, cresceu 18%, 19%. Esse problema se agravou a partir de 2010. Até então, o Brasil não crescia tanto como os emergentes, mas pelo menos a gente crescia como o resto do mundo. Era um crescimento menor, medíocre, mas estava de bom tamanho frente ao que viria depois. A partir de 2010, o Brasil descolou do resto do mundo. Estamos ficando mais pobres, estamos ficando para trás e, quanto mais demorarmos para enfrentar esta agenda de melhora institucional e das contas públicas, mais para trás nós vamos ficar.

Alessandra Ribeiro, responsável pela área de macroeconomia da consultoria Tendências

Qual deve ser a agenda do governo pós-Previdência?

ALESSANDRA RIBEIRO: O governo tem de agilizar algumas agendas e a principal delas é a do investimento. É preciso avançar no programa de concessões de infraestrutura – rodovias, portos, aeroportos e ferrovias – para o setor privado e, dessa forma, acelerar os efeitos desses investimentos para a atividade econômica e para o emprego. Há outras agendas importantes, certamente, como a reforma tributária, mas essa é uma agenda que vai demorar. É preciso, inclusive, entender qual é o projeto do governo. Isso vai demorar um pouco. Mais imediatamente é agilizar a agenda de investimentos.

O desemprego está elevado, o que também dificulta uma recuperação. Quando será possível ver uma reversão do quadro?

ALESSANDRA RIBEIRO: A Tendências projeta um crescimento da economia um pouco abaixo de 1% neste ano. No ano que vem, um avanço de 2%. A economia ganha um pouco mais de tração a partir de 2021. Nesse cenário, a taxa de desemprego cai muito gradualmente, ainda estimamos taxa de desemprego em 11% ao final de 2022. Mas isso não significa que a economia não está gerando emprego. Está, mas é um trabalho mais informal. Nós esperamos este ritmo de criação de emprego ganhando mais tração, crescendo ao redor de 1,5% ao ano, mas com uma mudança na sua composição, de menos informal e mais formal.

E qual é a expectativa para renda?

ALESSANDRA RIBEIRO: Esperamos um crescimento da renda mais próximo a 1% este ano. Ela ganha um pouco de tração com a mudança de composição de trabalhador menos informal e mais formal. O trabalhador com carteira tem um salário médio um pouco maior. Então, isso contribui para o aumento do rendimento a partir de 2022 e 2023. Quando nós olhamos a massa de renda, que considera tanto a geração de emprego quanto o salário médio real, a massa de renda deve crescer na casa de 2,5% ao longo dos próximos anos.

Veja também:
Bolsonaro cumprimenta premiê britânico pela vitória nas urnas
Vía emenda deputado beneficia GCFRON de Ponta Porã
Moro discutirá com Bolsonaro vetos a partes do projeto anticrime
Moro fala para presidente da OAB abandonar 'postura de militante'
Reinaldo Azambuja participa de comemoração do aniversário de Jaraguari e inauguração de Cidade Solar
Reunião em Assunção debate viabilidade de Porto Seco na fronteira Ponta Porã/Pedro Juan
Deputados temem influência de projetos polêmicos nas eleições
Leilão da MS-306 mostra confiança do capital privado no Estado, destaca Reinaldo Azambuja
Governo paraguaio licita projeto para a construção da ponte sobre o Rio Paraguai
Moro comemora aprovação do pacote anticrime na Câmara
Câmara aprova regime de urgência para projeto do pacote anticrime
CCJ do Senado contraria acordo e pauta votação de segunda instância
Brasil e Paraguai devem assinar acordo automotivo
“Revogação da redução do pedágio é injusta”, lamenta Barbosinha
Projeto que amplia validade da habilitação deve ser votado este ano
Marçal diz que governar é valorizar a experiência da iniciativa privada
Viagem gratuita: projeto torna obrigatória divulgação de direito dos idosos
Apoio de Azambuja à reeleição de Trad racha executiva do PSDB
Congresso mantém veto a propaganda partidária na TV e no rádio
Eduardo Bolsonaro é suspenso do PSL e deve perder posto de líder
Governo dá aval para comissão reavaliar a previdência de militares
Rodrigo Maia recebe a maior premiação em evento da revista Istoé
Câmara aprova texto-base que altera regras do Imposto sobre Serviços
Jovem de 25 anos é preso suspeito de planejar ataque a Bolsonaro
Bolsonaro lamenta mortes em baile funk após chegada da PM
Reinaldo Azambuja anuncia pagamento do 13º salário
PF indicia Bivar por esquema de candidaturas laranja no PSL
Na Capital, Ministro Osmar Terra entrega veículos e participa de seminário da Primeira Infância
Bolsonaro: Brasil precisa dar garantias jurídicas a investidor
O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa ao sair do Palácio da Alvorada
Convidado a debater 2º instância Moro deve conversar antes com Maia
Banco Central será mais cauteloso com juros depois do fim do ano
Bruno Covas deixa hospital após 23 dias internado
Bolsonaro se reúne com primeiro-ministro da Índia
Instabilidade na Bolívia não deve pautar cúpula do Brics, diz Heleno
Bolsonaro assina medida provisória que extingue o Dpvat
Resultado de megaleilão do pré-sal divide opinião de senadores
Senado aprova PEC Paralela da Previdência em primeiro turno
Guedes diz que não há "ponto inegociável" no pacote econômico
Plenário da Câmara aprova projeto sobre armas; texto segue para Senado
CPI de Brumadinho aprova relatório que indicia 22 pessoas por tragédia
Após vídeo ofensivo, deputados estaduais contra-atacam parlamentar do PSL
Bolsonaro e Guedes vão ao Congresso propor novas reformas
Deputados devem analisar 11 matérias na Ordem do Dia desta terça-feira
Bruno Covas permanece internado devido a coágulo no coração
Bolsonaro volta a criticar a Rede Globo
Luiz Ovando desiste do PSL: não tenho mais clima para ficar
Senadores entregarão carta ao STF apoiando prisão em 2ª instância
Bolsonaro manda cancelar assinaturas da Folha no governo federal
Eduardo Bolsonaro se desculpa por declaração sobre AI-5
“Se ele falou isso, lamento”, diz Bolsonaro sobre declaração de filho
Imprensa não condena ninguém, quem condena é a Justiça, diz Reinaldo Azambuja
Na última sessão do mês, deputados devem apreciar oito matérias
Bruno Covas termina primeira sessão de quimioterapia
Ovando diz que Globo é irresponsável por ligar Bolsonaro ao caso Marielle
Moro pede que PGR apure citação a Bolsonaro em caso Marielle
É raro decisão do STF mudar condenação, afirma Cármen Lúcia
Projeto de Lei estabelece medidas de prevenção ao uso de drogas em universidades
Adultos na fase jovem podem ter preferência em exames para o diagnóstico de câncer
Deputados devem votar dois vetos e dois projetos na sessão desta quarta-feira
Câmara aprova PL que criminaliza desafios que induzem ao suicídio
Bolsonaro chama de deboche taxação da energia solar
Bolsonaro: fundo soberano árabe deve elevar investimento no Brasil
Traficantes de papagaios são presos e multados em R$ 70 mil em MS
TSE rejeita ação que questionava favorecimento da Record a Bolsonaro
Placar está em 2 a 1 para a execução antecipada da pena condenatória
Mourão viaja para o Peru e Alcolumbre assume a Presidência
Placar está em 1 a 1 para que condenados deixem de cumprir pena após condenação em segunda instância;
Vice-líder do PSL na Câmara, Luiz Ovando diz que briga nacional rachou legenda em MS
Bolsonaro diz que governo quer aprovar outras reformas
Em Ponta Porã, mesmo sem enfrentar oposição prefeito diz não existir eleição fácil
Senado rejeita dois primeiros destaques à reforma da Previdência
Senado inicia votação da reforma da Previdência em segundo turno
Previdência segue para fase final no plenário do Senado
Senado deve votar hoje, em segundo turno, a reforma da Previdência
Deputados devem votar 13 matérias na primeira sessão plenária da semana
Reforma está blindada, diz Tebet sobre crise no PSL
Com problemas de saúde, Zeca do PT deixa presidência do partido
Eduardo Bolsonaro é o novo líder do PSL na Câmara
"Caso único no mundo", diz Mourão sobre manchas de óleo no Nordeste
Pesquisa Google
Pesquisa Google
Previsão do tempo
Publicidade
<
Copyright 2006 - 2019 JDCNotíciasMS. Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.