Um site a serviço do Estado - Ano VII - Campo Grande - Mato Grosso do Sul
Canais: 
Busca rápida
Cadernos
CAPA
CLÍNICAS MÉDICAS
COMPRAS - PEDRO JUAN - PARAGUAY
ARTIGOS
SAIBA AONDE SABOREAR AS DELÍCIAS DA CAPITAL
POLÍTICA
CONSTRUÇÃO CIVIL NA CAPITAL
NOTÍCIAS/INTERNET/TEC
MUNDO
TELEFONES ÚTEIS
HISTÓRIA DA PIZZA
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
BRASIL
NOTICIAS
POLICIA
FALE CONOSCO
MENSALÃO
ESPORTE NEWS
MOMENTO DE REFLEXÃO
SALMO 23 - 25
NOTA ZERO
NOTA 10
SAÚDE
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
RIO DE JANEIRO
HOTELARIA
JUSTIÇA
ECONOMIA
HORA DO RISO/PIADAS
TRAGÉDIA
FISCALIZAÇÃO PMR
EDUCAÇÃO
OPERAÇÃO LAVA JATO
OPERAÇÃO NOTA ZERO
LAMA ASFÁLTICA
GAECO
SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA FEDERAL
OPERAÇÃO RIQUIXÁ
GGIFRON
Publicidade
Publicações
16/07/2019 10:20
Previdência é passo importante, mas não garante retomada do crescimento, dizem economistas
Política

G1

plenario_camara

plenario_camara

A reforma da Previdência é um passo importante para a melhora da atividade econômica no país, mas, sozinha, não vai garantir um crescimento robusto sustentado ao longo dos próximos anos. Com a reforma da Previdência encaminhada após a aprovação em primeiro turno na Câmara dos Deputados, o Brasil tem uma agenda extensa para a retomar o crescimento, avaliam os economistas.

A pauta de medidas engloba endereçar uma reforma tributária, melhorar o ambiente de negócios do país, avançar nos projetos de infraestrutura e promover a abertura da economia. Por ora, os analistas avaliam que uma aceleração do crescimento econômico não deve ocorrer tão cedo. Para 2019, estimam um avanço do Produto Interno Bruto (PIB) abaixo de 1%.

O relatório do início de julho de mercado, conhecido como "Focus", divulgado pelo Banco Central, previa crescimento de 0,85%. No ano que vem, há expectativa de uma aceleração, mas nada que empolgue muito. Dificilmente o crescimento deve chegar a 2%, ponderam os economistas.

A seguir veja a avaliação de economistas sobre a agenda pós-Previdência necessária para o Brasil retomar o crescimento:

Affonso Celso Pastore, presidente do Centro de Debate de Políticas Públicas e da consultoria AC Pastore

Qual deve ser a agenda do governo pós-Previdência para retomar o crescimento?

AFFONSO CELSO PASTORE: O crescimento econômico requer outras reformas. São reformas extremamente importantes, como a tributária. É a reforma como a que foi proposta pelo Appy (Bernard Appy, diretor do Centro de Cidadania Fiscal), que está na agenda da Câmara dos Deputados. Também precisamos abrir a economia para o setor externo, aumentar a competitividade da nossa indústria, fazer um forte investimento em infraestrutura. É necessária ainda uma extensa agenda de reformas econômicas que mexam com a produtividade do trabalho, com a produtividade do capital. Com isso feito, eu acho que o Brasil terá condições de adquirir um crescimento econômico sustentável.

Quando o país pode vislumbrar uma melhora do crescimento?

AFFONSO CELSO PASTORE: Nós temos hoje uma renda per capita que está 9% abaixo do patamar que ela estava no início do ciclo (recessivo, em 2014), e são 13 milhões de desempregados. Quer dizer, não podemos esperar que o consumo das famílias seja uma força propulsora da economia. O país tem uma capacidade ociosa na indústria muito grande, e a maturação dos investimentos em infraestrutura é longa, de forma que nós não temos o investimento sendo uma força propulsora. Não temos também impulso vindo das exportações. E, finalmente, não é possível usar estímulos fiscais porque o governo está fazendo o contrário, está fazendo um ajuste. Ele corta gastos. Isso significa que a recuperação da economia é lenta. Não há como sonhar uma recuperação muito forte.

Diante desse quadro, como fica o emprego no país?

AFFONSO CELSO PASTORE: Há um certo sonho de que a simples aprovação da reforma da Previdência produziria uma explosão de investimentos, e o Brasil voltaria a crescer como jamais cresceu no passado. Isso não é verdade. Infelizmente, nós vamos ver o declínio da taxa de desemprego lentamente ao longo do tempo, assim como a recuperação da renda per capita. Será mais rápido se o país andar mais depressa com as reformas, como a tributária, promover a abertura da economia, e fazer as medidas microeconômicas. Portanto, está na nossa mão acelerar essa recuperação. Se nós dormirmos na glória de termos feito a reforma da Previdência, infelizmente a recuperação será muito mais lenta.

Ana Carla Abrão Costa, sócia da consultoria Oliver Wyman  

Qual deve ser a agenda do governo pós-Previdência?

ANA CARLA ABRÃO: Há três conjuntos de reformas muito importantes. O primeiro ataca o mercado de crédito. O Banco Central já vem trabalhando nisso: há medidas que ampliam o acesso ao crédito e reduzem o custo para a população. Existem medidas voltadas para a infraestrutura. O país precisa retomar a capacidade de investimento, mas o governo federal e os estados não têm essa capacidade. O Brasil precisa atrair investimento privado e isso exige várias medidas, que também estão sendo formuladas no âmbito do governo federal e que vão ter de passar pelo Congresso. E terceiro, precisamos de reformas que tragam maior produtividade para o setor público. 

Por ora, Estados e municípios não foram incluídos na reforma. Qual é a sua avaliação sobre essa ausência?

ANA CARLA ABRÃO: A não inclusão de estados e municípios tem um impacto muito negativo que não aparece agora no curto prazo, mas que vai aparecer na frente. O déficit da Previdência dos servidores estaduais e municipais é muito grande. O economista Paulo Tafner calculou um déficit em torno de R$ 140 bilhões só em 2019. E esse déficit é crescente. Então, sem uma reforma, o que estamos economizando na reforma federal vai ter de ser desembolsado porque estados e municípios vão recorrer ao governo federal para cobrir seus déficits.

Estados e municípios vão inevitavelmente enfrentar um problema?

ANA CARLA ABRÃO: O país vai gastar lá na frente para ter de socorrer estados e municípios que vão colapsar por falta de recursos para cobrir esses déficits e, obviamente, vão bater em Brasília para pedir recursos no governo federal. Os 26 estados e o Distrito Federal precisam de uma reforma da Previdência porque, do contrário, teremos mais situações como a do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro. O problema da Previdência nos Estados está contratado. É estrutural.

Marcos Lisboa, presidente do Insper 

Qual deve ser a agenda do governo pós-Previdência?

MARCOS LISBOA: Há três áreas essenciais para avançar. Não estou falando de grandes reformas. Estou falando em fazer a faxina da casa, arrumar a disfuncionalidade em que o país entrou com uma série de pequenas medidas. Primeiro, a questão tributária. A estrutura tributária brasileira se tornou disfuncional e está asfixiando as empresas do país. A mesma coisa acontece com o comércio exterior. Tem um dever de casa de acertar as tarifas, as barreiras não-tarifárias, a burocracia do comércio exterior. Terceiro, infraestrutura. A gente não vai ver a volta do investimento em energia e transporte com a confusão que se tornou o país para investir em infraestrutura. Você começa um projeto, aí só depois vem as obrigações ambientais e sociais, que podem surpreender. Essa insegurança do investimento em infraestrutura está afastando o setor privado.

Qual será a consequência se o país não endereçar essa agenda?

MARCOS LISBOA: Se não acertar a questão tributária, do comércio exterior e da infraestrutura, a notícia é ruim. O país chegou na situação em que chegou por tentativas precipitadas de descobrir um atalho, inventar uma novidade, desonerar a folhar, dar um crédito do BNDES, dar um estímulo para um determinado setor. Essas medidas precipitadas é que geraram esse caos institucional que a gente vive no ambiente de negócios. É preciso desfazer o que foi feito na última década para que o investimento volte a crescer e o país volte a gerar mais renda. Essa agenda está demorando para avançar. E quanto mais demora para andar, piora a estagnação.

Nos últimos anos, o PIB per capita caiu e o Brasil ficou mais pobre. Como você vê isso?

MARCOS LISBOA: É bem preocupante. Já há algumas décadas o Brasil vem ficando para trás. Para dar um dado, entre 1995 e 2016, a renda dos países emergentes fora da América Latina cresceu quase 130% por trabalhador. Nos Estados Unidos, avançou 48%. E no Brasil, cresceu 18%, 19%. Esse problema se agravou a partir de 2010. Até então, o Brasil não crescia tanto como os emergentes, mas pelo menos a gente crescia como o resto do mundo. Era um crescimento menor, medíocre, mas estava de bom tamanho frente ao que viria depois. A partir de 2010, o Brasil descolou do resto do mundo. Estamos ficando mais pobres, estamos ficando para trás e, quanto mais demorarmos para enfrentar esta agenda de melhora institucional e das contas públicas, mais para trás nós vamos ficar.

Alessandra Ribeiro, responsável pela área de macroeconomia da consultoria Tendências

Qual deve ser a agenda do governo pós-Previdência?

ALESSANDRA RIBEIRO: O governo tem de agilizar algumas agendas e a principal delas é a do investimento. É preciso avançar no programa de concessões de infraestrutura – rodovias, portos, aeroportos e ferrovias – para o setor privado e, dessa forma, acelerar os efeitos desses investimentos para a atividade econômica e para o emprego. Há outras agendas importantes, certamente, como a reforma tributária, mas essa é uma agenda que vai demorar. É preciso, inclusive, entender qual é o projeto do governo. Isso vai demorar um pouco. Mais imediatamente é agilizar a agenda de investimentos.

O desemprego está elevado, o que também dificulta uma recuperação. Quando será possível ver uma reversão do quadro?

ALESSANDRA RIBEIRO: A Tendências projeta um crescimento da economia um pouco abaixo de 1% neste ano. No ano que vem, um avanço de 2%. A economia ganha um pouco mais de tração a partir de 2021. Nesse cenário, a taxa de desemprego cai muito gradualmente, ainda estimamos taxa de desemprego em 11% ao final de 2022. Mas isso não significa que a economia não está gerando emprego. Está, mas é um trabalho mais informal. Nós esperamos este ritmo de criação de emprego ganhando mais tração, crescendo ao redor de 1,5% ao ano, mas com uma mudança na sua composição, de menos informal e mais formal.

E qual é a expectativa para renda?

ALESSANDRA RIBEIRO: Esperamos um crescimento da renda mais próximo a 1% este ano. Ela ganha um pouco de tração com a mudança de composição de trabalhador menos informal e mais formal. O trabalhador com carteira tem um salário médio um pouco maior. Então, isso contribui para o aumento do rendimento a partir de 2022 e 2023. Quando nós olhamos a massa de renda, que considera tanto a geração de emprego quanto o salário médio real, a massa de renda deve crescer na casa de 2,5% ao longo dos próximos anos.

Veja também:
Reinaldo Azambuja recebe homenagem e destaca importância do Poder Legislativo
Câmara aprova projeto que amplia posse de arma em propriedade rural
Simone Tebet assina pedido de veto integral à Lei de Abuso de Autoridade
Senado aprova MP da Liberdade Econômica
Reinaldo Azambuja quer pressa no acordo aduaneiro para o Corredor Bioceânico
TCE-MS manda ex-prefeito e gestores devolverem meio milhão por irregularidades
Pagamentos de R$ 427 mil a vereadores por diárias e sessões terão que ser devolvidos
Delcídio se filia ao PTB como aposta de Roberto Jefferson no Estado
Senado adia votação da reforma da Previdência em uma semana
Operação Lava Jato só existe graças ao STF, diz Dias Toffoli
MPF quer barrar indicação de Eduardo para embaixada dos EUA
CCJ do Senado começa a discutir reforma da Previdência esta semana
Partidos apostam em ex-presidenciáveis para discutir eleição na Capital
Antes de sair de férias, governador acerta compra de medicamentos e encaminha investimentos chineses
Governadores apoiam nova previdência para estados e municípios
Economia está dando sinais de recuperação, diz Bolsonaro a empresários
Presidente do TJMS recebe visita do Comandante-Geral da PM
Crise em Itaipu não deve refletir em novas pontes
Bolsonaro diz que ministério prepara projeto para legalizar garimpos
Empréstimo para Mato Grosso do Sul deve ser agilizado
Reinaldo Azambuja começa mês percorrendo interior, levando investimentos e novas obras
Reinaldo ‘joga’ para Hospital do Câncer responsabilidade por terceirizar radioterapia
Governo muda cúpula de comissão sobre mortos e desaparecidos políticos
Não podemos ser “generosos” com estrangeiros criminosos, diz Moro
Recesso chega ao fim e deputados e senadores voltam a Brasília
Em dois dias, Reinaldo Azambuja entrega e lança R$ 64,7 milhões em obras no interior
Bolsonaro quer definição de trabalho escravo na legislação
Bolsonaro diz que militantes de esquerda mataram pai de presidente da OAB
Délia e Reinaldo assinam convênio que mantém Sanesul em Dourados por 30 anos
Ministro Marcos Pontes inaugura laboratórios na UFMS
Ministro Mandetta diz que DEM tem candidato à prefeitura de Campo Grande
Onyx confirma limite de R$ 500 para saques das contas do FGTS
Secretário ameaça deixar drogas apreendidas na porta da Federal
Lava Jato: Delcídio não consegue reverter pena e terá que prestar serviços sociais
Bolsonaro não quer impedir divulgação de dados do Inpe, diz porta-voz
Em nova proposta, governo agora quer limitar saques do FGTS a R$ 500 em 2019
Certeza que o Senado vai’, diz Nelsinho sobre inclusão de estados na Previdência
Bioceânica: pavimentação do Chaco Paraguaio é uma realidade e deverá ser concluída em 2022
Em 100 dias, Regional de Ponta Porã triplica número de cirurgias eletivas
Investimento de R$ 167 milhões vai atender todos os municípios de MS, diz Reinaldo Azambuja
Reinaldo Azambuja e Mandetta anunciam investimentos em saúde nesta segunda-feira
Solidão do poder é falta de lealdade ao povo, diz Bolsonaro
Retomar dinheiro de corrupto funciona mais que prisão, diz AGU
Reinaldo Azambuja visita obras de porto e destaca vocação de Porto Murtinho como eixo intermodal
BNDES vai reduzir concessão de empréstimos e priorizar desenvolvimento
MS no Campo destaca a ação do Governo do Estado que ampliará as linhas de crédito para agricultura familiar
Ministros da Rússia, China e Índia estarão em Bonito para reunião em setembro
Puccinelli será candidato ao Governo do Estado em 2022, diz Marun
Defesa de Nelsinho vê imprensa ‘de mãos dadas’ com pedidos de bloqueio do MP por suspeita de corrupção
PDT suspende Tabata Amaral e mais sete 'infiéis' da reforma da Previdência
Caso Flordelis: reconstituição do crime ainda depende de aval do STF
Ex-vereador e sobrinho são denunciados pelo MPMS por extorsão
Para Ovando, aumento de verba para campanhas facilita perpetuação do poder
Simone diz e indicação de Eduardo para embaixada é maior erro de Bolsonaro
No Rio de Janeiro, Mourão fala da relação entre governo e Congresso
Geraldo diz que está dividido entre Governo e disputa por Prefeitura de Dourados
Prefeito de cidade mineira agride vereador com chicote e é morto a tiros
Eduardo Bolsonaro participou do Programa Silvio Santos portando arma na cintura
Fernandinho Beira-Mar é condenado por lavagem após movimentar R$ 31 milhões em MS
Odilon de Oliveira promete pedido de desfiliação ao diretório nacional do PDT
Com viagem de Reinaldo Azambuja, MS tem êxito na integração de políticas públicas com o Paraguai
Previdência: confira principais pontos aprovados em primeiro turno
Câmara conclui votação da reforma da Previdência em primeiro turno
Governador diz que convocados terão contrato maior e ganharão acima do piso
Câmara aprova regras especiais de aposentadoria de policiais da União
Câmara retoma votação de destaques da reforma da Previdência
Gestão humanizada é definição de prefeitos para agradecer 80 mil cobertores
Maia reabre sessão para votar destaques da reforma
SAD diz que retorno da jornada de 6h vai restringir atendimento ao público
Seis dos oito deputados de MS, votaram a favor da reforma; Confira
Governo defenderá estrutura familiar em candidatura a conselho da ONU
Governador entrega cobertores para os 79 municípios nesta quinta-feira
Plenário rejeita destaques individuais à PEC da reforma da Previdência
Veja o voto de cada deputado; vice do Governo foi contrário a proposta
Líderes do Senado vão apresentar PEC da Reforma Tributária
Rodrigo Maia diz que Previdência será vitória do Parlamento
Datafolha: maioria reprova conduta de Moro, mas vê como justa prisão de Lula
Dá para ter margem de 330 votos para aprovar Previdência, diz Onyx
Bolsonaro, à bancada ruralista: 'Este governo é de vocês'
Major expulso da PM é condenado a 15 anos por lavagem de dinheiro e 17 são absolvidos
Pesquisa Google
Pesquisa Google
Previsão do tempo
Publicidade
<
Copyright 2006 - 2019 JDCNotíciasMS. Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.