Um site a serviço do Estado - Ano VII - Campo Grande - Mato Grosso do Sul
Canais: 
Busca rápida
Cadernos
CAPA
CLÍNICAS MÉDICAS
COMPRAS - PEDRO JUAN - PARAGUAY
ARTIGOS
SAIBA AONDE SABOREAR AS DELÍCIAS DA CAPITAL
POLÍTICA
CONSTRUÇÃO CIVIL NA CAPITAL
NOTÍCIAS/INTERNET/TEC
MUNDO
TELEFONES ÚTEIS
HISTÓRIA DA PIZZA
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
BRASIL
NOTICIAS
POLICIA
FALE CONOSCO
MENSALÃO
ESPORTE NEWS
MOMENTO DE REFLEXÃO
SALMO 23 - 25
NOTA ZERO
NOTA 10
SAÚDE
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
RIO DE JANEIRO
HOTELARIA
JUSTIÇA
ECONOMIA
HORA DO RISO/PIADAS
TRAGÉDIA
FISCALIZAÇÃO PMR
EDUCAÇÃO
OPERAÇÃO LAVA JATO
OPERAÇÃO NOTA ZERO
LAMA ASFÁLTICA
GAECO
SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA FEDERAL
OPERAÇÃO RIQUIXÁ
GGIFRON
Publicidade
Publicações
14/05/2019 18:05
Ministros do STJ determinam soltura de Temer e coronel Lima
Justiça

Do R7
Fernando Mellis, do R7

Além de terem bens bloqueados, eles estão proibidos de manter contato com outros investigados, mudar de endereço, e terão que entregar passaportes

Temer está preso desde quinta-feira passada

Temer está preso desde quinta-feira passada
Marcelo Chello/Folhapress - 9.5.2019

Por unanimidade, a Quinta Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) votou, nesta terça-feira (14), pela concessão de liberdade ao ex-presidente Michel Temer e ao coronel da reserva da PM de São Paulo João Baptista Lima. 

Os dois estão presos desde a última quinta-feira (9), em São Paulo. 

Em seu voto, o relator, ministro Antonio Saldanha Palheiro, determinou como alternativa à prisão, a proibição dos réus de manter contato com outros investigados no mesmo caso, a proibição de mudança de endereço sem comunicação à Justiça, a entrega do passaporte e o bloqueio dos bens até o limite de sua responsabilidade. Os demais ministros seguiram o voto dele nesses quesitos.

Além disso, os ministros proibiram Temer de ocupar cargos de direção em partido político. 

"Os fatos narrados ocorreram entre 2011 e 2015, período em que o paciente Michel Temer exercia o mandato de vice-presidente da República... frisa-se que além de razoavelmente antigos os fatos, o prestígio político que teria sido essencial para a empreitada criminosa não mas persiste, visto que o paciente Michel Temer deixou a presidência da República no início deste ano e não exerce atualmente cargo público de destaque e relevância nacional", argumentou relator.

"O ordenamento jurídico vigente traz a liberdade do indivíduo como regra. [...] Há de se exigir, assim, que o decreto de prisão preventiva venha sempre concretamente motivado e não fundado em meras conjecturas.", declarou em outro trecho de seu voto. 

Palheiro ressaltou que não havia fatos concretos de que Temer e o amigo dele, o coronel da reserva da PM de São Paulo João Baptista Lima Filho, também preso, agiram para ocular provas ou dificultar a instrução processual, o que justificaria a prisão cautelar.

O ministro, Sebastião Reis Júnior, declarou-se impedido e não participou da sessão. Ele alegou que o escritório que trabalhou antes da magistratura atendeu a Eletronuclear, estatal envolvida no processo que levou Temer à cadeia.

Laurita Vaz

Segunda a votar, a ministra Laurita Vaz acompanhou o voto do relator. A magistrada começou seu voto ressaltando que "o STJ deve ser manter firme no combate aos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e outros contra a administração pública, que têm sangrado os cofres públicos gerando enormes prejuízos para a população e para o país".

No entanto, ela disse que a luta contra a corrupção "não pode virar caça às bruxas".

"Parece-me que a despeito da demonstração da gravidade das condutas imputadas ao paciente [Temer], não há nenhuma razão concreta e atual para se impor a prisão preventiva, uma vez que inexiste a demonstração de risco à ordem pública, a instrução criminal ou a aplicação da lei penal", observou. 

Rogerio Schietti Cruz

O ministro Rogerio Schietti Cruz argumentou que "a prisão preventiva quando não amparada em juízo de demonstrada necessidade cautelar acaba sinalizando que o preso é definitivamente culpado pelo crime".


"A população em geral, muitas vezes incentivada e mal-informada por setores da mídia mais interessados em vender notícia não entende o porque de alguém ter sido solto durante o processo ou antes dele, sobretudo nos casos em que por confissão do réu ou por flagrância delitiva não parece haver dúvida de que ele praticou o crime sob apuração. Em verdade, é assim que funciona o processo penal, não só no Brasil, mas em todo o mundo."

O magistrado também entendeu que não havia qualquer prova de interferência de Temer de forma a prejudicar as investigações.

"Reconheço que o risco da prática de novos crimes não é tão elevado a ponto de justificar a medida extrema [prisão]."

Nefi Cordeiro

O presidente da turma, ministro Nefi Cordeiro, seguiu o voto do relator. Sem citar nomes, ele fez uma crítica a juízes que se portam como "símbolos de combate à corrupção". 

"Manter solto durante o processo não é impunidade, como socialmente pode parecer. É sim garantia, somente afastada por comprovados riscos legais. Aliás, é bom que se esclareça ante a eventuais desejos sociais de um juiz herói contra o crime que essa não é, não pode ser, função de um juiz. Juiz não enfrenta crimes, juiz não é agente de segurança pública, não é controlador da moralidade social ou dos destinos políticos da nação."

O caso

Temer e Lima foram presos após o TRF2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região) cassar um habeas corpus no fim de março, data da primeira prisão, determinada pelo juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro. 

A prisão tinha caráter preventivo, ou seja, não houve condenação em relação aos crimes investigados. O magistrado sustentava que o encarceramento era necessário para a manutenção da ordem pública, o que foi refutado pelos ministros na sessão de hoje. 

Os dois, além do ex-ministro Wellington Moreira Franco, são réus em processo da chamada operação Descontaminação, que apura atos de corrupção nas obras de usina nuclear de Angra 3.

O Ministério Público Federal afirma que uma empresa do coronel Lima participou de maneira fraudulenta da licitação da obra, tendo sido escolhida, apenas para repassar dinheiro público desviado ao ex-presidente Temer.

Os valores, sustenta o MPF, teriam sido usados na reforma da casa de uma das filhas de Temer, Maristela, em um bairro nobre de São Paulo.

Os três negam as acusações. 

Veja também:
Ministro suspende eventual prisão de condenado pela chacina de Unaí
Embriaguez e reconciliação não impedem condenação por violência doméstica
Judicialização da saúde é tema de debate em Congresso Jurídico
MPs de nove estados fazem ação contra crime organizado
TJ mantém nulidade de regulamentação de serviços de transporte por aplicativos
Fachin vota por receber denúncia, tornar réu e afastar ministro do TCU
Fachin: combate à corrupção deve respeitar limites constitucionais
Desembargadora concede habeas corpus a Eike Batista
Lava Jato: 14 executivos tornam-se réus por corrupção em SP
Juiz nega pedido da OAB para atuar em investigação sobre hackers
Gilmar diz que Judiciário vive “maior crise” desde a redemocratização
Eike Batista é preso novamente pela PF no Rio
Juiz que determinou ida de Lula a Tremembé foi nomeado por Moro
Ministro do STF manda soltar traficante Elias Maluco
Juiz manda PF enviar ao STF cópia de investigação sobre hackers
Ministro do Supremo libera investigação sobre deputada Flordelis
Justiça prorroga prisão de investigados no roubo de ouro em Guarulhos
Juiz decreta prisão preventiva dos investigados de hackear autoridades
Juiz autoriza réu da Lama Asfáltica a terminar de cumprir pena em SP
Doleiro Dario Messer já está na Polícia Federal no Rio
Moro defende isolamento de líderes de organizações criminosas
Entenda as bases legais e as polêmicas jurídicas da Operação Spoofing
Juiz prorroga prisão de acusados de hackear celulares de autoridades
Mãe será indenizada por erro médico que causou a morte da filha
HC não pode ser usado como terceira apelação em matéria de Juizado
Ministério revoga refúgio de paraguaios acusados de extorsão
Número de eleitores cadastrados por biometria chega a 69%, diz TSE
Progressão de pena contará da última prisão ou falta grave
Toffoli suspende processos que contêm dados sem autorização judicial
Operação prende 11 suspeitos de exploração imobiliária na Muzema
Lava Jato denuncia seis pessoas por corrupção em contratos do DER-RJ
Armênio é detido enquanto tentava levar material radioativo à Rússia
Decisão suspende efeitos de liminar e servidores continuam com jornada de 8 horas
Brumadinho: Vale é condenada a pagar danos por rompimento de barragem
Tio tem condenação mantida por estuprar sobrinha durante anos
Sobre diálogos vazados, defesa de Bumlai diz que só se manifesta na Justiça
Justiça prorroga prisões temporárias de envolvidos em roubo de avião
Seis em cada dez brasileiros querem Lula mantido na carceragem da PF
Extradição: Após anúncio, Paraguai expulsa presos brasileiros procurados pela Justiça
Por 4 a 1, turma decide manter Lula preso no primeiro habeas corpus
STF adia julgamento sobre suspeição de Sergio Moro no caso Lula
Tenente-coronel perde recurso e será julgada pela morte do marido
PGR se manifesta no STF contra pedido de Lula para anular ação penal
STJ decide que acusados do incêndio na Boate Kiss vão a júri popular
STF: maioria vota por limitar decreto que extingue conselhos federais
Fórum de Corumbá será contemplado com Projeto de Eficiência Energética
Justiça nega pedido de Neymar para barrar investigação da polícia do RJ
Denunciado por força-tarefa, guarda municipal estaria ligado a 3 execuções
Juiz federal intima Bolsonaro a depor no processo sobre facada
Mantida condenação de ex-prefeito por improbidade administrativa
Sem presença do presidente do Paraguai, Moro se reúne com secretário antidrogas em Pedro Juan
Juiz do PR autoriza Eduardo Cunha a cumprir pena no Rio de Janeiro
STF mantém afastamento da desembargadora Tânia Borges
Justiça determina bloqueio de até R$ 128 milhões de Aécio Neves
TRF3 determina soltura do empresário João Amorim
Mantega vira réu na Justiça Federal por fraudes de R$ 8 bi no BNDES
Militares envolvidos em fuzilamento no Rio serão soltos nesta sexta
Multado em R$1,1 milhão, Bernal diz que decisão do TCE-MS é ‘sem sentido’
Justiça Militar ouve depoimentos em caso de carro atingido por tiros
Dirceu se apresenta à PF em Curitiba para cumprir pena na Lava Jato
José Dirceu deve se entregar à PF até as 16h desta sexta
TJ mantém notícias de condenação por estupro em site de pesquisa
Após seis dias preso, Temer diz que aguardou soltura "com serenidade"
Ex-presidente Michel Temer é solto após seis dias preso
Temer e coronel Lima devem sair da prisão nesta quarta-feira
STJ julga hoje habeas corpus de Michel Temer
Justiça determina quebra de sigilos de Flávio Bolsonaro e Queiroz
Após autorização da Justiça, Temer é transferido para quartel da PM
Moro: falhas do sistema e bons advogados retardavam condenação
Temer pode ser transferido da PF para quartel nesta segunda-feira
Militares viram réus em caso de carro alvejado em Guadalupe
Lula pede ao STJ para cumprir pena em regime aberto
1ª Câmara Cível mantém destituição de poder familiar por maus tratos
Rosa Weber pede informações ao governo sobre decreto de armas
Justiça determina que Temer e coronel Lima fiquem presos em SP
Justiça Federal mantém bloqueio a contas com dinheiro supostamente ganho pela Minerworld
Temer deve se apresentar hoje à Polícia Federal
Bar que forneceu suco com álcool para crianças deve pagar danos morais
Justiça decide por nova prisão de Temer e coronel Lima
Lama Asfáltica: Prisão por corrupção completa 1 ano e Giroto faz história entre políticos
Pesquisa Google
Pesquisa Google
Previsão do tempo
Publicidade
<
Copyright 2006 - 2019 JDCNotíciasMS. Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.