Um site a serviço do Estado - Ano VII - Campo Grande - Mato Grosso do Sul
Canais: 
Busca rápida
Cadernos
CAPA
CLÍNICAS MÉDICAS
COMPRAS - PEDRO JUAN - PARAGUAY
ARTIGOS
SAIBA AONDE SABOREAR AS DELÍCIAS DA CAPITAL
POLÍTICA
CONSTRUÇÃO CIVIL NA CAPITAL
NOTÍCIAS/INTERNET/TEC
MUNDO
TELEFONES ÚTEIS
HISTÓRIA DA PIZZA
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
BRASIL
NOTICIAS
POLICIA
FALE CONOSCO
MENSALÃO
ESPORTE NEWS
MOMENTO DE REFLEXÃO
SALMO 23 - 25
NOTA ZERO
NOTA 10
SAÚDE
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
HOTELARIA
JUSTIÇA
ECONOMIA
HORA DO RISO/PIADAS
TRAGÉDIA
FISCALIZAÇÃO PMR
EDUCAÇÃO
OPERAÇÃO LAVA JATO
OPERAÇÃO NOTA ZERO
LAMA ASFÁLTICA
Publicidade
Publicações
21/05/2019 21:52
Governo está reavaliando decreto de armas, diz Planalto
Política

Agência Brasil
Por Pedro Rafael Vilela – Repórter da Agência Brasil  Brasília

O porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros, fala à imprensa.
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

AGU pediu mais prazo para responder ao STF sobre medida

O governo federal está revisando o Decreto nº 9.785/2019, que mudou as regras sobre aquisição, cadastro, registro, posse, porte e comercialização de armas de fogo. A norma foi publicada no último dia 8 de maio. O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, informou hoje (21), em entrevista a jornalistas, que um dos pontos que poderá ser alterado é a permissão para que civis com porte de armas possam adquirir fuzis.    

"A aquisição de fuzil pelo cidadão, esse é um dos aspectos que está sofrendo avaliação por parte do presidente, juntamente com nossa assessoria jurídica da Casa Civil para, a partir dessa reavaliação, ajustar ou não o decreto", afirmou.

Antes do decreto, as armas autorizadas para civis deveriam ter até 407 joules de potência, como revólvers de calibre 32 e 38 e pistolas de calibre 380. Com o decreto, essa potência foi ampliada para 1.620 joules, o que passou a incluir armas como pistolas calibre ponto 40, pistola nove milímetros, pistola calibre 45, carabinas semiautomáticas e fuzil semiautomático, como o modelo T4, fabricado pela Taurus.

STF

A Advocacia-Geral da União (AGU) também informou hoje que vai pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) a prorrogação do prazo para a Presidência da República se manifestar em relação à Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) nº 581, apresentada pelo partido Rede Sustentabilidade contra o decreto de armas. A relatora do caso no Supremo, ministra Rosa Weber, havia concedido o prazo de cinco dias úteis para que o governo se manifestasse. Esse prazo se encerra amanhã e o advogado-geral da União, André Luiz de Almeida Mendonça, se reuniu com Rosa Weber durante a tarde para tratar do assunto.

"O objetivo é possibilitar que as manifestações a serem apresentadas ao STF já contemplem possíveis revisões no Decreto 9.785/2019 a partir dos estudos levados a efeito pela AGU, pela Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil (SAJ) e pelas Consultorias Jurídicas do Ministério da Justiça e da Defesa em função dos questionamentos sobre a constitucionalidade do Decreto", informou a AGU, em nota. Até o fechamento da matéria, o STF ainda não havia se manifestado sobre o adiamento do prazo para que o governo prestasse informações sobre a norma.

Governadores

Mais cedo, 14 governadores publicaram uma carta contra o decreto que amplia o porte de armas. No documento, os governadores afirmam que as novas regras podem piorar os índices de violência nos estados. Eles pedem que o Executivo, Legislativo e Judiciário atuem para a "imediata revogação" da medida.

A carta é assinada pelos governadores do Distrito Federal, Ibaineis Rocha; Flávio Dino, do Maranhão; Wellington Dias, do Piauí; Paulo Câmara, de Pernambuco; Camilo Santana, do Ceará; João Azevedo, da Paraíba; Renato Casagrande, do Espírito Santo; Rui Costa, da Bahia; Fátima Bezerra, do Rio Grande do Norte; Renan Filho, de Alagoas; Belivaldo Chagas, de Sergipe; Waldez Góes, do Amapá; Mauro Carlesse, de Tocantins; e Helder Barbalho, do Pará.

Perguntado sobre a manifestação dos governadores, o porta-voz do Palácio do Planalto disse que o governo federal levará em consideração os argumentos, mas que que está orientado a manter a medida com "adaptações".

"Essa é uma carta que, partindo de dirigentes do Poder Executivo, tem que ser considerada. Não obstante, o presidente colimou muito bem essa questão do decretos de armas e está orientando todos os seus esforços no sentido de sua aprovação, com a possibilidade de adaptar ao receber as propostas da sociedade como um todo", afirmou Rêgo Barros.

Mudanças

Além de ampliar a diversidade de calibres de armas de uso permitido, o decreto também aumentou a quantidade de compra de munições para armas de uso permitido (5 mil unidades por ano) e para armas de uso restrito (mil unidades por ano). A norma ainda estendeu a 11 categorias o direito de porte de armas. Foram contemplados, entre outros, instrutores de tiro, colecionadores, caçadores, detentores de mandatos eletivos (Executivo e Legislativo), advogados e jornalistas que façam cobertura de pautas policiais.

O decreto abre o mercado e faculta a possibilidade de importação de armas de fogo, desde que autorizada pelo Exército, por diferentes instituições de segurança pública, empresas de comercialização de armamento e munições e pessoas físicas autorizadas.

Edição: Denise Griesinger

Veja também:
STF adia julgamento sobre suspeição de Sergio Moro no caso Lula
Militar brasileiro é preso na Espanha por porte de drogas
Bolsonaro revoga decreto de armas e publica novas regras
Deputados apresentam Moção de Pesar pela morte do ex-deputado Paulo Estevão
Comissão na Câmara retoma debate do parecer da reforma da Previdência
Sergio Moro adia ida à Câmara para falar sobre troca de mensagens
Reforma da Previdência: discussões seguem em meio a semana de São João
Assembleia cria comissão para investigar servidores
Governo anuncia reinclusão de deficientes auditivos no Bolsa Atleta
Governo destaca ações para fomentar uso de fontes energia renovável em evento no Crea-MS
Bolsonaro: abro mão da reeleição se Brasil passar por reforma política
Senado aprova revogação de decreto que flexibiliza acesso a armas
Moro diz que foi surpreendido por 'vilania e baixeza' de hackers
Senado aprova revogação de decreto que flexibiliza acesso a armas
Reinaldo Azambuja assina decreto que incentiva ampliação de voos e redução de preço das passagens em MS
Na Câmara, Onyx defende decreto que flexibiliza porte de armas
CCJ aprova convite para Dallagnol explicar troca de mensagens com Moro
Gustavo Montezano será o novo presidente do BNDES
Cartazes devem informar em locais públicos direitos de pacientes com câncer
Governador sanciona leis de combate à crueldade contra animais e de direitos da pessoa com câncer; confira
Maia se diz 'perplexo' com a demissão de presidente do BNDES
Bolsonaro assina MP para vender bens confiscados de traficantes
Secretário da Senad participa da abertura da IV Semana Estadual sobre Drogas
Bolsonaro diz que avalia reduzir para 4% imposto sobre produtos de TI
Presidente do BNDES pede demissão
Reforma será votada na Câmara antes do recesso, diz líder do governo
Regional de Ponta Porã dobra atendimentos, número de cirurgias eletivas e reativa salas cirúrgicas
'Não vou pedir desculpas por ter cumprido o meu dever', avisa Moro
Exoneração do ministro Santos Cruz é publicada no Diário Oficial
Congresso aprova projeto de crédito suplementar de R$ 248,9 bilhões
Ministra Cármen Lúcia assumirá presidência da Segunda Turma do STF
Senado vota quarta-feira PEC sobre tramitação de medidas provisórias
Ponta Porã: recém-nascidos recebem exame da linguinha e orelhinha no Hospital Regional
Congresso gasta R$ 4 bilhões com 11,1 mil aposentadorias e pensões
Lula, Palocci e Paulo Bernardo vão responder por suspeita de corrupção
Azambuja diz que “será muito difícil dar aumento a servidores”
Publicada lei que trata de internação involuntária de usuário de droga
Bolsonaro e Macri se reúnem em Buenos Aires nesta quinta-feira
Vitória do Legislativo e da população, diz Rose após votar orçamento impositivo
Bolsonaro aprova lei que criminaliza calúnia com finalidade eleitoral
Guedes defende manter estados e municípios na reforma da Previdência
Operação Lava Jato denuncia Jucá e Sergio Machado por corrupção
Moro quer maior combate ao narcotráfico em fronteira
Reinaldo Azambuja assina tratado com a Bolívia nas áreas de gás natural e ureia
Governador obtém da Atvos garantia de manutenção de investimentos em MS
Após pedido de ministra, Reinaldo sanciona mudanças no MS-Empreendedor
Congresso aprova novas regras sobre proteção de dados pessoais
Deputado do PSL dá cabeçada em colega no plenário durante sessão
Deputado diz que barragem de Brumadinho operou irregularmente
Governador reconduz diretor da Agepan para mandato de quatro anos
Bolsonaro vai a pé do palácio à Câmara homenagear humorista do SBT
Senado aprova MP da reforma administrativa; texto segue para sanção
CCJ da Câmara convoca Onyx para esclarecer decreto de porte de armas
Reunião entre Poderes no Alvorada foi excelente, diz Guedes
Governo reafirma apoio à MP 870 como veio da Câmara
'Bolsonaro arrisca demais', diz cientista político Carlos Pereira
MS não quebrou porque aprovou a reforma da previdência, diz Reinaldo Azambuja
Ricardo Ayache assume o comando do PSB em Mato Grosso do Sul
Bolsonaro entrega 472 apartamentos do Minha Casa, Minha Vida
Prefeitura irá fazer empréstimo de R$ 30 milhões para retomada de obras
Capitão Contar propõe criação de Escolas Bilíngues para Surdos em MS
Reinaldo Azambuja defende simplificação tributária e diz que reforma da Previdência é nescessária
Deputados aprovam manutenção do Coaf no Ministério da Economia
Governo altera decreto de armas e proíbe que cidadão porte fuzil
Câmara aprova bagagem grátis e 100% de capital de fora em aéreas
Deputado vai processar Maria do Rosário no Conselho de Ética
Corte de serviços essenciais nas vésperas de fins de semana e feriados pode ser proibida
Marquinhos vai a Brasília em busca de R$ 72 milhões para asfalto e drenagem
Deputados devem votar cinco projetos na sessão ordinária desta terça-feira
Empresa investigada vai receber mais de R$ 300 mil para fornecer rádios
Governador Reinaldo Azambuja vai à Brasília para debater diretrizes do FCO
Bolsonaro sanciona projeto que anistia partidos políticos
Câmara e Senado devem aprovar reforma em 60 dias, diz Guedes
Estão fazendo esculacho em cima do meu filho, diz Bolsonaro
Com ausência de Bolsonaro e Mourão, Maia assume Presidência
Deputados devem votar três projetos na sessão ordinária desta quinta-feira
Secretaria de Infraestrutura elenca prioridades da gestão
Relator da reforma tributária apresenta parecer favorável na CCJ
CCJ aprova PEC que proíbe governo de editar MP sobre educação
Ciro chama Lula de 'enganador profissional' e 'defunto eleitoral'
Pesquisa Google
Pesquisa Google
Previsão do tempo
Publicidade
<
Copyright 2006 - 2019 JDCNotíciasMS. Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.