Um site a serviço do Estado - Ano VII - Campo Grande - Mato Grosso do Sul
Canais: 
Busca rápida
Cadernos
CAPA
CLÍNICAS MÉDICAS
COMPRAS - PEDRO JUAN - PARAGUAY
ARTIGOS
SAIBA AONDE SABOREAR AS DELÍCIAS DA CAPITAL
POLÍTICA
CONSTRUÇÃO CIVIL NA CAPITAL
NOTÍCIAS/INTERNET/TEC
MUNDO
TELEFONES ÚTEIS
HISTÓRIA DA PIZZA
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
BRASIL
NOTICIAS
POLICIA
FALE CONOSCO
MENSALÃO
ESPORTE NEWS
MOMENTO DE REFLEXÃO
SALMO 23 - 25
NOTA ZERO
NOTA 10
SAÚDE
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
HOTELARIA
JUSTIÇA
ECONOMIA
HORA DO RISO/PIADAS
TRAGÉDIA
FISCALIZAÇÃO PMR
EDUCAÇÃO
OPERAÇÃO LAVA JATO
OPERAÇÃO NOTA ZERO
LAMA ASFÁLTICA
Publicidade
Publicações
29/05/2019 10:28
Senado aprova MP da reforma administrativa; texto segue para sanção
Política

Agência Brasil
Por Marcelo Brandão - Repórter da Agência Brasil  Brasília

Plenário do Senado aprova MP que autoriza a participação de até 100% de capital estrangeiro em companhias aéreas brasileiras..
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil 
 
Número de ministérios é reduzido, mas Coaf vai para pasta da Economia

O Senado aprovou na noite de ontem (28) a Medida Provisória (MP) 870, que trata da reforma administrativa, sem alterações em comparação com o texto aprovado na Câmara. O texto-base foi aprovado com 70 votos a favor, 4 votos contrários e uma abstenção. Com isso, o governo federal conseguiu aprovar, quase em sua totalidade, as alterações feitas na estrutura do governo quando o presidente Jair Bolsonaro tomou posse.

O texto segue para sanção presidencial. Com a aprovação da MP, algumas alterações realizadas na Comissão Especial do Congresso foram confirmadas. Dentre elas, o Coaf fica subordinado ao Ministério da Economia, a Fundação Nacional do Índio (Funai) volta para a pasta da Justiça. Em relação ao Serviço Florestal Brasileiro (SFB), o Congresso atendeu o texto presidencial e o deixou no Ministério da Agricultura.

Dentre as propostas do governo preservadas pelos parlamentares, está a redução de ministérios, de 29 para 22. Essa redução criou o Ministério da Economia, em substituição aos ministérios da Fazenda; Planejamento e Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Também criou o Ministério da Cidadania, reunindo as pastas do Desenvolvimento Social, Cultura e Esporte; e extinguiu o Ministério do Trabalho, dividindo suas competências entre vários ministérios.

Ouça a reportagem da Rádio Nacional: Senado aprova MP que reestrutura ministérios; texto segue para sanção

Votação

A votação do texto-base foi rápida, mas foi marcada por uma manobra regimental. O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), relator da MP no Congresso, pediu verificação nominal para a votação do texto-base, onde não havia polêmicas. A verificação, no entanto, só poderia ser feita uma fez no período de uma hora. Isso, na prática, impediu a verificação nominal para os destaques que alteravam o destino do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e o mantiveram no Ministério da Justiça.

Os destaques foram rejeitados em votação simbólica. Ao perceber o protesto dos senadores favoráveis aos destaques, que foram impedidos de fazer a votação nominal, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), fez uma contagem informal. Segundo suas contas 30 senadores votaram pela aprovação dos destaques e, consequentemente, foram derrotados. Em seguida, ele encerrou a sessão.

A aprovação ocorreu a sete dias do vencimento do prazo da MP. Caso não fosse votada até o dia 3 de junho, a medida provisória perderia a sua validade. Na avaliação de alguns senadores, uma derrota na noite de hoje representaria um sinal muito negativo para o governo. “Seria a maior vergonha para o governo não aprovar. Se não aprova isso, não aprova nada”, disse Simone Tebet (MDB-MS).

O senador Lasier Martins (Pode-RS) disse a jornalistas após a reunião de líderes ocorrida antes da sessão que votou a MP, que a carta escrita pelo presidente da República foi determinante para o resultado. Segundo o senador, o pedido formal de Bolsonaro influenciou a decisão de alguns senadores de mudar o voto em favor do pedido do governo. Além disso, acrescentou Martins, a subscrição de Sergio Moro à carta “fez muita gente mudar de posição”.

Resultado no Senado da votação do Projeto de Lei de Conversão 10/2019 que reorganiza órgãos da Presidência da República e ministérios.
Resultado no Senado da votação do Projeto de Lei de Conversão 10/2019 que reorganiza órgãos da Presidência da República e ministérios - TV Senado
Debates
A sessão durou quase quatro horas, sendo que a grande maioria desse tempo foi reservado aos debates sobre o tema. Alcolumbre abriu a Ordem do Dia lendo a carta do presidente da República, Jair Bolsonaro, pedindo aos senadores a aprovação da MP 870. Em seguida, ele se uniu a Bolsonaro no pedido de aprovação da MP como veio da Câmara.

“Vários senadores e senadoras têm, e têm todo direito, de terem suas convicções pessoais. Mas diante de um apelo de sua excelência o presidente da República [...] eu novamente conclamo aos senadores para que o Senado Federal possa dar ao presidente da República o que ele pediu no dia de hoje”, disse Alcolumbre.

A polêmica se concentrava no destino do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Sob o argumento de fortalecer o órgão, o texto original da MP enviado pelo governo transferia o Coaf do Ministério da Economia para a pasta da Justiça. Durante a tramitação na Câmara, no entanto, os deputados decidiram que o órgão deve ficar sob o controle do ministro Paulo Guedes, na Economia.

Vários senadores pediram a palavra e as opiniões foram divididas. Major Olímpio líder do PSL no Senado, chegou a dizer que desistir de manter o Coaf no Ministério da Justiça seria dar um “tiro no pé” do governo. Mas, após encontro com Bolsonaro no início da tarde de hoje, Olímpio decidiu recuar.

“[Votar pela manutenção do Coaf no Ministério da Justiça] era meu desejo pessoal e da esmagadora maioria da população, mas o próprio ministro Sergio Moro já disse que, em nome de algo maior, que é a consolidação da estrutura administrativa do Estado brasileiro, ele está pedindo que não seja a questão do Coaf algo a impedir a consolidação da estrutura administrativa do governo”.

Senadores contrários à MP como chegou na Casa diziam que a vontade da população expressa nas ruas, nas manifestações do último domingo (26), não estava sendo respeitada. Para eles, a manutenção do Coaf no Ministério da Justiça era um pleito popular claramente expresso nas ruas, em manifestações compostas por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro.

Eduardo Girão (Pode-CE) e Flávio Arns (Rede-PR) citaram o abaixo-assinado entregue pelo movimento popular Mude. Foram 300 mil assinaturas pedindo a manutenção do Coaf na pasta de Sergio Moro. “Eu, junto com outros colegas, recebi essa pilha [de assinaturas] do Mude, que representa o desejo de 300 mil brasileiros que o Coaf vá para o Ministério da Justiça. A gente não pode ignorar isso”.

*Matéria corrigida às 16h40 do dia 29/05.

Diferentemente do informado, o Serviço Florestal Brasileiro não ficará sob responsabilidade do Ministério do Meio Ambiente. O SFB permance no Ministério da Agricultura

Edição: Fábio Massalli

Veja também:
STF adia julgamento sobre suspeição de Sergio Moro no caso Lula
Militar brasileiro é preso na Espanha por porte de drogas
Bolsonaro revoga decreto de armas e publica novas regras
Deputados apresentam Moção de Pesar pela morte do ex-deputado Paulo Estevão
Comissão na Câmara retoma debate do parecer da reforma da Previdência
Sergio Moro adia ida à Câmara para falar sobre troca de mensagens
Reforma da Previdência: discussões seguem em meio a semana de São João
Assembleia cria comissão para investigar servidores
Governo anuncia reinclusão de deficientes auditivos no Bolsa Atleta
Governo destaca ações para fomentar uso de fontes energia renovável em evento no Crea-MS
Bolsonaro: abro mão da reeleição se Brasil passar por reforma política
Senado aprova revogação de decreto que flexibiliza acesso a armas
Moro diz que foi surpreendido por 'vilania e baixeza' de hackers
Senado aprova revogação de decreto que flexibiliza acesso a armas
Reinaldo Azambuja assina decreto que incentiva ampliação de voos e redução de preço das passagens em MS
Na Câmara, Onyx defende decreto que flexibiliza porte de armas
CCJ aprova convite para Dallagnol explicar troca de mensagens com Moro
Gustavo Montezano será o novo presidente do BNDES
Cartazes devem informar em locais públicos direitos de pacientes com câncer
Governador sanciona leis de combate à crueldade contra animais e de direitos da pessoa com câncer; confira
Maia se diz 'perplexo' com a demissão de presidente do BNDES
Bolsonaro assina MP para vender bens confiscados de traficantes
Secretário da Senad participa da abertura da IV Semana Estadual sobre Drogas
Bolsonaro diz que avalia reduzir para 4% imposto sobre produtos de TI
Presidente do BNDES pede demissão
Reforma será votada na Câmara antes do recesso, diz líder do governo
Regional de Ponta Porã dobra atendimentos, número de cirurgias eletivas e reativa salas cirúrgicas
'Não vou pedir desculpas por ter cumprido o meu dever', avisa Moro
Exoneração do ministro Santos Cruz é publicada no Diário Oficial
Congresso aprova projeto de crédito suplementar de R$ 248,9 bilhões
Ministra Cármen Lúcia assumirá presidência da Segunda Turma do STF
Senado vota quarta-feira PEC sobre tramitação de medidas provisórias
Ponta Porã: recém-nascidos recebem exame da linguinha e orelhinha no Hospital Regional
Congresso gasta R$ 4 bilhões com 11,1 mil aposentadorias e pensões
Lula, Palocci e Paulo Bernardo vão responder por suspeita de corrupção
Azambuja diz que “será muito difícil dar aumento a servidores”
Publicada lei que trata de internação involuntária de usuário de droga
Bolsonaro e Macri se reúnem em Buenos Aires nesta quinta-feira
Vitória do Legislativo e da população, diz Rose após votar orçamento impositivo
Bolsonaro aprova lei que criminaliza calúnia com finalidade eleitoral
Guedes defende manter estados e municípios na reforma da Previdência
Operação Lava Jato denuncia Jucá e Sergio Machado por corrupção
Moro quer maior combate ao narcotráfico em fronteira
Reinaldo Azambuja assina tratado com a Bolívia nas áreas de gás natural e ureia
Governador obtém da Atvos garantia de manutenção de investimentos em MS
Após pedido de ministra, Reinaldo sanciona mudanças no MS-Empreendedor
Congresso aprova novas regras sobre proteção de dados pessoais
Deputado do PSL dá cabeçada em colega no plenário durante sessão
Deputado diz que barragem de Brumadinho operou irregularmente
Governador reconduz diretor da Agepan para mandato de quatro anos
Bolsonaro vai a pé do palácio à Câmara homenagear humorista do SBT
CCJ da Câmara convoca Onyx para esclarecer decreto de porte de armas
Reunião entre Poderes no Alvorada foi excelente, diz Guedes
Governo reafirma apoio à MP 870 como veio da Câmara
'Bolsonaro arrisca demais', diz cientista político Carlos Pereira
MS não quebrou porque aprovou a reforma da previdência, diz Reinaldo Azambuja
Ricardo Ayache assume o comando do PSB em Mato Grosso do Sul
Bolsonaro entrega 472 apartamentos do Minha Casa, Minha Vida
Prefeitura irá fazer empréstimo de R$ 30 milhões para retomada de obras
Capitão Contar propõe criação de Escolas Bilíngues para Surdos em MS
Reinaldo Azambuja defende simplificação tributária e diz que reforma da Previdência é nescessária
Deputados aprovam manutenção do Coaf no Ministério da Economia
Governo altera decreto de armas e proíbe que cidadão porte fuzil
Câmara aprova bagagem grátis e 100% de capital de fora em aéreas
Governo está reavaliando decreto de armas, diz Planalto
Deputado vai processar Maria do Rosário no Conselho de Ética
Corte de serviços essenciais nas vésperas de fins de semana e feriados pode ser proibida
Marquinhos vai a Brasília em busca de R$ 72 milhões para asfalto e drenagem
Deputados devem votar cinco projetos na sessão ordinária desta terça-feira
Empresa investigada vai receber mais de R$ 300 mil para fornecer rádios
Governador Reinaldo Azambuja vai à Brasília para debater diretrizes do FCO
Bolsonaro sanciona projeto que anistia partidos políticos
Câmara e Senado devem aprovar reforma em 60 dias, diz Guedes
Estão fazendo esculacho em cima do meu filho, diz Bolsonaro
Com ausência de Bolsonaro e Mourão, Maia assume Presidência
Deputados devem votar três projetos na sessão ordinária desta quinta-feira
Secretaria de Infraestrutura elenca prioridades da gestão
Relator da reforma tributária apresenta parecer favorável na CCJ
CCJ aprova PEC que proíbe governo de editar MP sobre educação
Ciro chama Lula de 'enganador profissional' e 'defunto eleitoral'
Pesquisa Google
Pesquisa Google
Previsão do tempo
Publicidade
<
Copyright 2006 - 2019 JDCNotíciasMS. Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.