Um site a serviço do Estado - Ano VII - Campo Grande - Mato Grosso do Sul
Canais: 
Busca rápida
Cadernos
CAPA
CLÍNICAS MÉDICAS
COMPRAS - PEDRO JUAN - PARAGUAY
ARTIGOS
SAIBA AONDE SABOREAR AS DELÍCIAS DA CAPITAL
POLÍTICA
CONSTRUÇÃO CIVIL NA CAPITAL
NOTÍCIAS/INTERNET/TEC
MUNDO
TELEFONES ÚTEIS
HISTÓRIA DA PIZZA
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
BRASIL
NOTICIAS
POLICIA
FALE CONOSCO
MENSALÃO
ESPORTE NEWS
MOMENTO DE REFLEXÃO
SALMO 23 - 25
NOTA ZERO
NOTA 10
SAÚDE
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
RIO DE JANEIRO
HOTELARIA
JUSTIÇA
ECONOMIA
HORA DO RISO/PIADAS
TRAGÉDIA
FISCALIZAÇÃO PMR
EDUCAÇÃO
OPERAÇÃO LAVA JATO
OPERAÇÃO NOTA ZERO
LAMA ASFÁLTICA
GAECO
SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA FEDERAL
OPERAÇÃO RIQUIXÁ
GGIFRON
JORNALISMO
HOMENAGEM
SANTOS
CORONAVÍRUS
Publicidade
Publicações
25/07/2019 09:02
Perícia em celular de Moro permitiu a PF identificar supostos hackers
Polícia Federal

Agência Brasil
Por Alex Rodrigues - repórter da Agência Brasil  Brasília

Propostas sobre proteção de dados pessoais são debatidas no Congresso
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Há indícios de que suspeitos integram organização criminosa, diz juiz

Na decisão em que autorizou a Polícia Federal (PF) a prender, em caráter temporário, quatro suspeitos de violar o sigilo telefônico de várias autoridades públicas, o juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, revela que os investigados foram identificados a partir da perícia inicial do telefone celular do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

Segundo o magistrado, a quebra do sigilo telefônico e das mensagens eletrônicas de suspeitos já tinha sido autorizada antes a pedido da autoridade policial para permitir o “levantamento de informações acerca do procedimento de intrusão do telefone celular do ministro”. Isto possibilitou aos investigadores deduzir como os suspeitos teriam agiram.

Conforme os policiais federais informaram ao juiz, quem invadiu o telefone de Moro conseguiu obter o código (senha) que o aplicativo de troca de mensagens instantâneas Telegram fornece aos usuários do programa Telegram Web, por mensagem.

“O Telegram permite que o usuário solicite o código de acesso via ligação telefônica, com posterior envio [da resposta por meio de] chamada de voz contendo o código para ativação do serviço web, cuja mensagem fica gravada na caixa postal das vítimas”, detalhou o juiz em sua decisão, tornada pública no início da tarde de ontem (24). A fim de manter a linha alvo ocupada enquanto invadia o telefone, o invasor passa então a fazer sucessivas ligações para o número da vítima.

O próximo passo dos investigadores foi identificar a origem das chamadas telefônicas recebidas pelo ministro Moro, em particular as identificadas como tendo sido feitas a partir de seu próprio número. No começo de junho, o Ministério da Justiça e Segurança Pública informou que hackers tinham tentado invadir o telefone do ministro, que percebeu à ação ao receber uma ligação de seu próprio número. Na sequência, Moro recebeu novos contatos por meio do aplicativo de mensagens Telegram, que já não usava há cerca de dois anos. Imediatamente, o ministrou abandonou a linha e acionou a Polícia Federal.

“Assim, identificou-se a rota de interconexão com a operadora Datora Telecomunicações, que transportou as chamadas destinadas ao número do ministro, após ter recebido as chamadas através da rota de interconexão baseada em tecnologia Voip [serviços de voz sobre IP, o chamado Protocolo de Internet, número que identifica um dispositivo conectado à rede mundial de computadores]”, escreveu o juiz Vallisney de Souza Oliveira, afirmando que, após analisar todo o sistema de comunicação, a PF conseguiu identificar todas as ligações efetuadas para o telefone do ministro.

“Com base nos registros cadastrais fornecidos pelos provedores de internet foram identificados os moradores nos endereços onde estariam localizados os IPs de onde partiram os ataques. São eles: Danilo Cristiano Marques, Gustavo Henrique Elias Santos, Suelen Priscila de Oliveira e Walter Delgatti Neto”, comentou o juiz.

Ainda de acordo com o magistrado, há “fortes indícios” de que os quatro suspeitos detidos ontem (23), em caráter temporário, “integram uma organização criminosa”.

Esta tarde, durante coletiva de imprensa realizada em Brasília, os delegados federais responsáveis pela Operação Spoofing disseram ter indícios de que mais de mil números de telefone foram alvo da ação ilegal do grupo. Em sua decisão, o juiz Vallisney de Souza Oliveira cita, entre as vítimas, além de Moro, o desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região; do juiz federal Flávio Lucas, da 18ª Vara Federal do Rio de Janeiro, e dos delegados federais Rafael Fernandes e Flávio Vieitez.

Mais cedo, o defensor Ariovaldo Moreira, advogado do casal Gustavo e Suellen, disse que Gustavo nega ter invadido telefones e participado da divulgação das supostas conversas que o então juiz federal da 13ª Vara Federal, Sergio Moro, trocou com procuradores da República que integram a força-tarefa Lava Jato. Moreira, no entanto, admitiu que Gustavo revelou ter recebido de seu amigo, Walter Delgatti, cópia de uma das mensagens atribuídas a Moro, antes desta se tornar pública, veiculada por veículos de imprensa.

Assista na TV Brasil: Suspeitos de hackear celulares prestam depoimentos

Edição: Liliane Farias

Veja também:
Coronavírus: PF suspende atendimento ao público no Rio de Janeiro
Deputado do PSL diz ter sofrido atentado em rodovia
PF cumpre 28 mandados e mira esquema de fraudes em licitações
Preso que pagou fiança de R$ 80 mil apresentou documento falso, diz PF
Polícia Federal faz operação contra tráfico de armas em três estados
Operação em MS combate o tráfico de armas que abastece criminosos no RJ
PF cumpre mandados em MS contra servidores federais que recebiam propina de frigorífico
Lava Jato: PF investiga contratos de telefonia, internet e TV paga
PF deflagra operação para desarticular organização de tráfico
Polícia Federal combate tráfico de drogas em Parnaíba, no Piauí
PF prende desembargadora da Bahia por suspeita de corrupção
PF pede a prisão de Dilma e Mantega, mas Fachin nega
Receita e PF deflagram operação contra crimes tributários
PF intima Renan e Braga para que prestem esclarecimentos em inquérito
PF cumpre esta manhã mandados judiciais determinados pelo Supremo
Operação da PF destrói 360 mil pés de maconha no Maranhão e Pará
PF cumpre 11 mandados de busca em endereços ligados a Paulo Preto
Perseguição no aeroporto da capital termina com homem preso após tentar tomar arma de PF
PF cumpre 14 mandados de prisão contra fraudes na Receita
Conversas entre Manuela e hacker duraram nove dias, diz PF
PF prende ex-governador do Tocantins, Marcelo Miranda
PF faz operação contra venda de sentenças no Rio de Janeiro
Polícia Federal indicia 13 por rompimento da barragem da Vale
Polícia Federal deflagra 2ª fase da Operação Spoofing
PF cumpre mandados em gabinetes do líder do governo e de seu filho
Investigações contra agressor de Bolsonaro podem ser retomadas
Indio da Costa é preso pela PF em operação contra fraudes nos Correios
Lava Jato cumpre mandados de prisão por propina paga a 2 ex-ministros
PF cumpre 39 mandados em nova fase da Lava Jato
Roubo em Guarulhos: empresa paga R$ 150 mil de recompensa por pistas
Suspeitos de invadir celular de Moro são transferidos para Brasília
PF deflagra operação e prende suspeitos de invadir celular de Moro
Pesquisa Google
Pesquisa Google
Previsão do tempo
Publicidade
<
Copyright 2006 - 2019 JDCNotíciasMS. Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.