Um site a serviço do Estado - Ano VII - Campo Grande - Mato Grosso do Sul
Canais: 
Busca rápida
Cadernos
CAPA
CLÍNICAS MÉDICAS
COMPRAS - PEDRO JUAN - PARAGUAY
ARTIGOS
SAIBA AONDE SABOREAR AS DELÍCIAS DA CAPITAL
POLÍTICA
CONSTRUÇÃO CIVIL NA CAPITAL
NOTÍCIAS/INTERNET/TEC
MUNDO
TELEFONES ÚTEIS
HISTÓRIA DA PIZZA
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
BRASIL
NOTICIAS
POLICIA
FALE CONOSCO
MENSALÃO
ESPORTE NEWS
MOMENTO DE REFLEXÃO
SALMO 23 - 25
NOTA ZERO
NOTA 10
SAÚDE
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
RIO DE JANEIRO
HOTELARIA
JUSTIÇA
ECONOMIA
HORA DO RISO/PIADAS
TRAGÉDIA
FISCALIZAÇÃO PMR
EDUCAÇÃO
OPERAÇÃO LAVA JATO
OPERAÇÃO NOTA ZERO
LAMA ASFÁLTICA
GAECO
SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA FEDERAL
OPERAÇÃO RIQUIXÁ
GGIFRON
JORNALISMO
HOMENAGEM
SANTOS
CORONAVÍRUS
Publicidade
Publicações
16/09/2019 18:19
Investigações contra agressor de Bolsonaro podem ser retomadas
Polícia Federal

Correio do Estado
Glaucea Vaccari

Objetivo é apurar se quem paga advogado de Adélio participou no crime

Adélio Bispo está preso em Campo Grande - Arquivo / Correio do Estado


Insvestigações sobre Adélio Bispo de Oliveira, acusado de esfaquear o presidente Jair Bolsonaro (PSL) durante campanha eleitoral há pouco mais de um ano, em Juiz de Fora (MG) podem ser retomadas. O Tribunal Regional da 1ª Região (TRF-1) julgará no dia 2 de outubro se haverá retomada, com objetivo de apurar se quem paga o advogado de Adélio, Zanone de Oliveira Júnior, participou do atentado.

O inquérito foi aberto para apurar quem financiou a defesa de Adélio, preso atualmente na Penitenciária Federal de Campo Grande, e se esta pessoa teve participação no crime.

Bolsonaro comentou hoje no Twitter sobre o julgamento, afirmando que o TRF-1 “pode ser decisivo para chegar aos mandantes da tentativa de assassinato".

Julgamento estava marcado para a próxima quarta-feira (18), mas foi adiado para a próxima sessão, marcada para 2 de outubro.

Em março deste ano, o TRF-1 suspendeu a análise do material apreendido em endereços do advogado de Adélio Bispo, Zanone Manuel de Oliveira, a pedido da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que argumentou ser ilegal investigar um advogado por sua atuação profissional. Em abril, a Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu da decisão.

"O material apreendido pela PF no endereço de um dos advogados do esfaqueado ainda não foi periciado por decisão liminar concedida para OAB", continuou Bolsonaro no Twitter. Fazem parte do colegiado que vai julgar o pedido os desembargadores Olindo Menezes, Néviton Guedes, Saulo Bahia, Mônica Sifuentes, Ney Bello, Cândido Ribeiro e Hilton Queiroz.

"Não desejamos descobrir o conteúdo da defesa, mas elucidar o crime, como vítima e por questão de segurança nacional", completou Bolsonaro na rede social.

ADÉLIO BISPO

Adélio foi preso em flagrante no dia do crime e confessou o ataque, afirmando ter agido sozinho e, em depoimento à Polícia Federal, disse ter desferido o golpe a mando de Deus. Ele foi indiciado por prática de atentado pessoal por inconformismo político, crime previsto na Lei de Segurança Nacional, e transferido para a Capital de Mato Grosso do Sul dois dias após o atentado.

Em maio deste ano, após a realização de laudos periciais oficiais, o juiz do processo criminalconcluiu que Adélio é inimputável, ou seja, de acordo com as leis penais, não pode ser responsabilizado criminalmente por seus atos. De acordo com a perícia, o acusado é portador de transtorno delirante persistente.

No dia 14 de junho, o juiz Bruno Savino, da 3ª Vara da Justiça Federal em Juiz de Fora (MG), absolveu Adélio Bispo do atentado contra o presidente Jair Bolsonaro. 

Na sentença, o juiz aplicou a figura jurídica da “absolvição imprópria”, na qual uma pessoa não pode ser condenada. Como, no caso de Adélio, ficou constatado que ele é inimputável, não poderia ser punido por ter doença mental.

A prisão foi convertida em internação em manicômio judiciário por tempo indeterminado. Por conta da periculosidade do acusado, ele permanecerá no presídio federal de Campo Grande.

No dia 16 de julho, a justiça informou que não cabe mais nenhum recurso da decisão. A sentença transitou em julgado no dia 12, ou seja, o processo foi encerrado. Bolsonaro e o MPF não recorreram.

Veja também:
Coronavírus: PF suspende atendimento ao público no Rio de Janeiro
Deputado do PSL diz ter sofrido atentado em rodovia
PF cumpre 28 mandados e mira esquema de fraudes em licitações
Preso que pagou fiança de R$ 80 mil apresentou documento falso, diz PF
Polícia Federal faz operação contra tráfico de armas em três estados
Operação em MS combate o tráfico de armas que abastece criminosos no RJ
PF cumpre mandados em MS contra servidores federais que recebiam propina de frigorífico
Lava Jato: PF investiga contratos de telefonia, internet e TV paga
PF deflagra operação para desarticular organização de tráfico
Polícia Federal combate tráfico de drogas em Parnaíba, no Piauí
PF prende desembargadora da Bahia por suspeita de corrupção
PF pede a prisão de Dilma e Mantega, mas Fachin nega
Receita e PF deflagram operação contra crimes tributários
PF intima Renan e Braga para que prestem esclarecimentos em inquérito
PF cumpre esta manhã mandados judiciais determinados pelo Supremo
Operação da PF destrói 360 mil pés de maconha no Maranhão e Pará
PF cumpre 11 mandados de busca em endereços ligados a Paulo Preto
Perseguição no aeroporto da capital termina com homem preso após tentar tomar arma de PF
PF cumpre 14 mandados de prisão contra fraudes na Receita
Conversas entre Manuela e hacker duraram nove dias, diz PF
PF prende ex-governador do Tocantins, Marcelo Miranda
PF faz operação contra venda de sentenças no Rio de Janeiro
Polícia Federal indicia 13 por rompimento da barragem da Vale
Polícia Federal deflagra 2ª fase da Operação Spoofing
PF cumpre mandados em gabinetes do líder do governo e de seu filho
Indio da Costa é preso pela PF em operação contra fraudes nos Correios
Lava Jato cumpre mandados de prisão por propina paga a 2 ex-ministros
PF cumpre 39 mandados em nova fase da Lava Jato
Roubo em Guarulhos: empresa paga R$ 150 mil de recompensa por pistas
Perícia em celular de Moro permitiu a PF identificar supostos hackers
Suspeitos de invadir celular de Moro são transferidos para Brasília
PF deflagra operação e prende suspeitos de invadir celular de Moro
Pesquisa Google
Pesquisa Google
Previsão do tempo
Publicidade
<
Copyright 2006 - 2019 JDCNotíciasMS. Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.