Um site a serviço do Estado - Ano VII - Campo Grande - Mato Grosso do Sul
Canais: 
Busca rápida
Cadernos
CAPA
CLÍNICAS MÉDICAS
COMPRAS - PEDRO JUAN - PARAGUAY
ARTIGOS
SAIBA AONDE SABOREAR AS DELÍCIAS DA CAPITAL
POLÍTICA
CONSTRUÇÃO CIVIL NA CAPITAL
NOTÍCIAS/INTERNET/TEC
MUNDO
TELEFONES ÚTEIS
HISTÓRIA DA PIZZA
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
BRASIL
NOTICIAS
POLICIA
FALE CONOSCO
MENSALÃO
ESPORTE NEWS
MOMENTO DE REFLEXÃO
SALMO 23 - 25
NOTA ZERO
NOTA 10
SAÚDE
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
RIO DE JANEIRO
HOTELARIA
JUSTIÇA
ECONOMIA
HORA DO RISO/PIADAS
TRAGÉDIA
FISCALIZAÇÃO PMR
EDUCAÇÃO
OPERAÇÃO LAVA JATO
OPERAÇÃO NOTA ZERO
LAMA ASFÁLTICA
GAECO
SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA FEDERAL
OPERAÇÃO RIQUIXÁ
GGIFRON
JORNALISMO
Publicidade
Publicações
03/10/2019 17:49
Bolsonaro: criminoso é quem deve temer a lei, não o cidadão
Política

Agência Brasil
Por Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil  Brasília

  O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, participam do lançamento da campanha publicitária do Projeto Anticrime, do governo federal
Antonio Cruz/ Agência Brasil

Presidente criticou ativismo do Judiciário e Ministério Público

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (3) que o pacote anticrime, em tramitação no Congresso Nacional, foi elaborado “para ser temido por marginais e não pelo cidadão de bem”. Ele fez críticas a “órgãos da Justiça e do Ministério Público, que buscam transformar auto de resistência em execução”.

“O ativismo em alguns órgãos da Justiça e do Ministério Público na política busca, cada vez mais, transformar auto de resistência em execução. É doloroso você ver um policial chefe de família preso por causa disso. Muitas vezes vemos policiais militares serem alçados por uma função, aí vem a imprensa dizer que ele tem 20 autos de resistência. Tem de ter 50. É sinal de que ele trabalha, que faz sua parte, e de que ele não morreu”, disse o presidente, na cerimônia de lançamento das campanhas publicitárias a favor do pacote, no Palácio do Planalto.

Autos de resistência ocorrem quando policiais usam dos “meios necessários” para efetuar prisões contra pessoas suspeitas de terem praticado um crime. Já o excludente de ilicitude, ao classificar essa ação como legítima defesa por parte do policial, exime dele, qualquer ilícito consequente. As duas ferramentas jurídicas estão entre os pontos polêmicos do pacote anticrime original apresentado pelo governo. Segundo seus críticos, tanto os autos de resistência como os excludentes de ilicitudes seriam uma espécie de carta branca para a polícia matar.

“Queremos mudar a legislação para que a lei seja temida pelos marginais e não pelo cidadão de bem. Esse é o espírito da lei e o objetivo da propaganda do projeto anticrime”, disse o presidente referindo-se à campanha anunciada no Planalto.

Ao defender o pacote, Bolsonaro disse serem muito comuns casos de policiais presos injustamente por apenas cumprirem suas funções. “Quantas vezes visitei o presídio da PM [Polícia Militar] em Benfica, no Rio de Janeiro, e conversei com os homens da segurança que estavam no comando, com policiais e com bombeiros presos. Conversando com eles, não mais que sentimento, tive a certeza de que, lá dentro, tinha muitos inocentes. Basicamente por excessos. Pode, de madrugada, na troca de tiro com marginal, policial dar mais de dois tiros e ser condenado por excesso? É um absurdo isso.”

O presidente disse ter a certeza de que o Congresso vai aprovar o pacote anticrime. “Não raras vezes fui ao Cemitério Jardim da Saudade acompanhar o enterro de policiais militares, militares das forças armadas e civis vitimados por criminosos. Tenho certeza de que haverá o consentimento do Parlamento, e a proposta será aprovada. E aquele que, por ventura, no futuro, quiser praticar um crime, vai pensar muito antes de cometê-lo, porque saberá que certas regalias como saidões deixarão de existir. Saidão pode existir, mas da cela para o pátio da prisão”, disse o presidente, ao pedir a colaboração de parlamentares para aprovar o pacote.

Brasil sem lei

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, disse que a aprovação do pacote será a oportunidade para que governo e parlamentares “mandem mensagem clara de que os tempos do Brasil sem lei e Justiça chegaram ao final”.

“Há algum tempo tínhamos certa percepção de que vivíamos em uma terra sem lei e sem Justiça. Vivenciamos nos últimos cinco anos, principalmente, revelações de um grande sistema de corrupção. Assistimos nos últimos 15 anos ao crescimento e ao fortalecimento de organizações criminosas no Brasil. Organizações que, muitas vezes, o Estado não tinha coragem de enfrentar”, disse o ministro.

“Hoje mesmo foi publicado que houve queda de 22% do número de assassinatos na comparação com o mesmo período do ano passado. Isso significa que 7.109 pessoas não morreram assassinadas por crimes violentos, em relação ao ano anterior”, acrescentou Moro ao defender a atual política de segurança do governo.

Pacote

O pacote anticrime está entre as metas apresentadas pelo governo como prioritárias de seus 100 primeiros dias. Foi apresentado com a justificativa de combater a corrupção e melhorar a segurança pública no país.

O pacote é composto por três projetos de lei (PLs). O PL 1.865 de 2019 criminaliza o uso de caixa dois em eleições; o PL 1.864 de 2019 estabelece medidas contra a corrupção, o crime organizado e os crimes praticados com grave violência, e o PLC 89 de 2019 estabelece regras de competência da Justiça comum e da Justiça eleitoral.

Peças publicitárias

Com o slogan Pacote Anticrime. A lei tem que estar acima da impunidade, as peças elaboradas pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República poderão ser vistas até 31 de outubro em rádio, televisão, internet, cinema e mobiliários urbanos.

Edição: Fernando Fraga

Veja também:
Deputados temem influência de projetos polêmicos nas eleições
Leilão da MS-306 mostra confiança do capital privado no Estado, destaca Reinaldo Azambuja
Governo paraguaio licita projeto para a construção da ponte sobre o Rio Paraguai
Moro comemora aprovação do pacote anticrime na Câmara
Câmara aprova regime de urgência para projeto do pacote anticrime
CCJ do Senado contraria acordo e pauta votação de segunda instância
Brasil e Paraguai devem assinar acordo automotivo
“Revogação da redução do pedágio é injusta”, lamenta Barbosinha
Projeto que amplia validade da habilitação deve ser votado este ano
Marçal diz que governar é valorizar a experiência da iniciativa privada
Viagem gratuita: projeto torna obrigatória divulgação de direito dos idosos
Apoio de Azambuja à reeleição de Trad racha executiva do PSDB
Congresso mantém veto a propaganda partidária na TV e no rádio
Eduardo Bolsonaro é suspenso do PSL e deve perder posto de líder
Governo dá aval para comissão reavaliar a previdência de militares
Rodrigo Maia recebe a maior premiação em evento da revista Istoé
Câmara aprova texto-base que altera regras do Imposto sobre Serviços
Jovem de 25 anos é preso suspeito de planejar ataque a Bolsonaro
Bolsonaro lamenta mortes em baile funk após chegada da PM
Reinaldo Azambuja anuncia pagamento do 13º salário
PF indicia Bivar por esquema de candidaturas laranja no PSL
Na Capital, Ministro Osmar Terra entrega veículos e participa de seminário da Primeira Infância
Bolsonaro: Brasil precisa dar garantias jurídicas a investidor
O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa ao sair do Palácio da Alvorada
Convidado a debater 2º instância Moro deve conversar antes com Maia
Banco Central será mais cauteloso com juros depois do fim do ano
Bruno Covas deixa hospital após 23 dias internado
Bolsonaro se reúne com primeiro-ministro da Índia
Instabilidade na Bolívia não deve pautar cúpula do Brics, diz Heleno
Bolsonaro assina medida provisória que extingue o Dpvat
Resultado de megaleilão do pré-sal divide opinião de senadores
Senado aprova PEC Paralela da Previdência em primeiro turno
Guedes diz que não há "ponto inegociável" no pacote econômico
Plenário da Câmara aprova projeto sobre armas; texto segue para Senado
CPI de Brumadinho aprova relatório que indicia 22 pessoas por tragédia
Após vídeo ofensivo, deputados estaduais contra-atacam parlamentar do PSL
Bolsonaro e Guedes vão ao Congresso propor novas reformas
Deputados devem analisar 11 matérias na Ordem do Dia desta terça-feira
Bruno Covas permanece internado devido a coágulo no coração
Bolsonaro volta a criticar a Rede Globo
Luiz Ovando desiste do PSL: não tenho mais clima para ficar
Senadores entregarão carta ao STF apoiando prisão em 2ª instância
Bolsonaro manda cancelar assinaturas da Folha no governo federal
Eduardo Bolsonaro se desculpa por declaração sobre AI-5
“Se ele falou isso, lamento”, diz Bolsonaro sobre declaração de filho
Imprensa não condena ninguém, quem condena é a Justiça, diz Reinaldo Azambuja
Na última sessão do mês, deputados devem apreciar oito matérias
Bruno Covas termina primeira sessão de quimioterapia
Ovando diz que Globo é irresponsável por ligar Bolsonaro ao caso Marielle
Moro pede que PGR apure citação a Bolsonaro em caso Marielle
É raro decisão do STF mudar condenação, afirma Cármen Lúcia
Projeto de Lei estabelece medidas de prevenção ao uso de drogas em universidades
Adultos na fase jovem podem ter preferência em exames para o diagnóstico de câncer
Deputados devem votar dois vetos e dois projetos na sessão desta quarta-feira
Câmara aprova PL que criminaliza desafios que induzem ao suicídio
Bolsonaro chama de deboche taxação da energia solar
Bolsonaro: fundo soberano árabe deve elevar investimento no Brasil
Traficantes de papagaios são presos e multados em R$ 70 mil em MS
TSE rejeita ação que questionava favorecimento da Record a Bolsonaro
Placar está em 2 a 1 para a execução antecipada da pena condenatória
Mourão viaja para o Peru e Alcolumbre assume a Presidência
Placar está em 1 a 1 para que condenados deixem de cumprir pena após condenação em segunda instância;
Vice-líder do PSL na Câmara, Luiz Ovando diz que briga nacional rachou legenda em MS
Bolsonaro diz que governo quer aprovar outras reformas
Em Ponta Porã, mesmo sem enfrentar oposição prefeito diz não existir eleição fácil
Senado rejeita dois primeiros destaques à reforma da Previdência
Senado inicia votação da reforma da Previdência em segundo turno
Previdência segue para fase final no plenário do Senado
Senado deve votar hoje, em segundo turno, a reforma da Previdência
Deputados devem votar 13 matérias na primeira sessão plenária da semana
Reforma está blindada, diz Tebet sobre crise no PSL
Com problemas de saúde, Zeca do PT deixa presidência do partido
Eduardo Bolsonaro é o novo líder do PSL na Câmara
"Caso único no mundo", diz Mourão sobre manchas de óleo no Nordeste
Paulo Corrêa considera absurda proposta de cobrança de energia gerada com painel solar
No Japão, Bolsonaro terá encontro bilateral com presidente da Ucrânia
Governador empossa Conselho Estadual de Cultura destacando valorização
Juiz federal absolve Temer em caso de conversa com Joesley
Reinaldo Azambuja sanciona lei que institui ações de resgate ao civismo nas escolas
Líder do PSL na Câmara afirma em áudio que vai 'implodir' Bolsonaro
Pesquisa Google
Pesquisa Google
Previsão do tempo
Publicidade
<
Copyright 2006 - 2019 JDCNotíciasMS. Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.