Um site a serviço do Estado - Ano VII - Campo Grande - Mato Grosso do Sul
Canais: 
Busca rápida
Cadernos
CAPA
CLÍNICAS MÉDICAS
COMPRAS - PEDRO JUAN - PARAGUAY
ARTIGOS
SAIBA AONDE SABOREAR AS DELÍCIAS DA CAPITAL
POLÍTICA
CONSTRUÇÃO CIVIL NA CAPITAL
NOTÍCIAS/INTERNET/TEC
MUNDO
TELEFONES ÚTEIS
HISTÓRIA DA PIZZA
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
BRASIL
NOTICIAS
POLICIA
FALE CONOSCO
MENSALÃO
ESPORTE NEWS
MOMENTO DE REFLEXÃO
SALMO 23 - 25
NOTA ZERO
NOTA 10
SAÚDE
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
RIO DE JANEIRO
HOTELARIA
JUSTIÇA
ECONOMIA
HORA DO RISO/PIADAS
TRAGÉDIA
FISCALIZAÇÃO PMR
EDUCAÇÃO
OPERAÇÃO LAVA JATO
OPERAÇÃO NOTA ZERO
LAMA ASFÁLTICA
GAECO
SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA FEDERAL
OPERAÇÃO RIQUIXÁ
GGIFRON
Publicidade
Publicações
03/10/2019 17:49
Bolsonaro: criminoso é quem deve temer a lei, não o cidadão
Política

Agência Brasil
Por Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil  Brasília

  O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, participam do lançamento da campanha publicitária do Projeto Anticrime, do governo federal
Antonio Cruz/ Agência Brasil

Presidente criticou ativismo do Judiciário e Ministério Público

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (3) que o pacote anticrime, em tramitação no Congresso Nacional, foi elaborado “para ser temido por marginais e não pelo cidadão de bem”. Ele fez críticas a “órgãos da Justiça e do Ministério Público, que buscam transformar auto de resistência em execução”.

“O ativismo em alguns órgãos da Justiça e do Ministério Público na política busca, cada vez mais, transformar auto de resistência em execução. É doloroso você ver um policial chefe de família preso por causa disso. Muitas vezes vemos policiais militares serem alçados por uma função, aí vem a imprensa dizer que ele tem 20 autos de resistência. Tem de ter 50. É sinal de que ele trabalha, que faz sua parte, e de que ele não morreu”, disse o presidente, na cerimônia de lançamento das campanhas publicitárias a favor do pacote, no Palácio do Planalto.

Autos de resistência ocorrem quando policiais usam dos “meios necessários” para efetuar prisões contra pessoas suspeitas de terem praticado um crime. Já o excludente de ilicitude, ao classificar essa ação como legítima defesa por parte do policial, exime dele, qualquer ilícito consequente. As duas ferramentas jurídicas estão entre os pontos polêmicos do pacote anticrime original apresentado pelo governo. Segundo seus críticos, tanto os autos de resistência como os excludentes de ilicitudes seriam uma espécie de carta branca para a polícia matar.

“Queremos mudar a legislação para que a lei seja temida pelos marginais e não pelo cidadão de bem. Esse é o espírito da lei e o objetivo da propaganda do projeto anticrime”, disse o presidente referindo-se à campanha anunciada no Planalto.

Ao defender o pacote, Bolsonaro disse serem muito comuns casos de policiais presos injustamente por apenas cumprirem suas funções. “Quantas vezes visitei o presídio da PM [Polícia Militar] em Benfica, no Rio de Janeiro, e conversei com os homens da segurança que estavam no comando, com policiais e com bombeiros presos. Conversando com eles, não mais que sentimento, tive a certeza de que, lá dentro, tinha muitos inocentes. Basicamente por excessos. Pode, de madrugada, na troca de tiro com marginal, policial dar mais de dois tiros e ser condenado por excesso? É um absurdo isso.”

O presidente disse ter a certeza de que o Congresso vai aprovar o pacote anticrime. “Não raras vezes fui ao Cemitério Jardim da Saudade acompanhar o enterro de policiais militares, militares das forças armadas e civis vitimados por criminosos. Tenho certeza de que haverá o consentimento do Parlamento, e a proposta será aprovada. E aquele que, por ventura, no futuro, quiser praticar um crime, vai pensar muito antes de cometê-lo, porque saberá que certas regalias como saidões deixarão de existir. Saidão pode existir, mas da cela para o pátio da prisão”, disse o presidente, ao pedir a colaboração de parlamentares para aprovar o pacote.

Brasil sem lei

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, disse que a aprovação do pacote será a oportunidade para que governo e parlamentares “mandem mensagem clara de que os tempos do Brasil sem lei e Justiça chegaram ao final”.

“Há algum tempo tínhamos certa percepção de que vivíamos em uma terra sem lei e sem Justiça. Vivenciamos nos últimos cinco anos, principalmente, revelações de um grande sistema de corrupção. Assistimos nos últimos 15 anos ao crescimento e ao fortalecimento de organizações criminosas no Brasil. Organizações que, muitas vezes, o Estado não tinha coragem de enfrentar”, disse o ministro.

“Hoje mesmo foi publicado que houve queda de 22% do número de assassinatos na comparação com o mesmo período do ano passado. Isso significa que 7.109 pessoas não morreram assassinadas por crimes violentos, em relação ao ano anterior”, acrescentou Moro ao defender a atual política de segurança do governo.

Pacote

O pacote anticrime está entre as metas apresentadas pelo governo como prioritárias de seus 100 primeiros dias. Foi apresentado com a justificativa de combater a corrupção e melhorar a segurança pública no país.

O pacote é composto por três projetos de lei (PLs). O PL 1.865 de 2019 criminaliza o uso de caixa dois em eleições; o PL 1.864 de 2019 estabelece medidas contra a corrupção, o crime organizado e os crimes praticados com grave violência, e o PLC 89 de 2019 estabelece regras de competência da Justiça comum e da Justiça eleitoral.

Peças publicitárias

Com o slogan Pacote Anticrime. A lei tem que estar acima da impunidade, as peças elaboradas pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República poderão ser vistas até 31 de outubro em rádio, televisão, internet, cinema e mobiliários urbanos.

Edição: Fernando Fraga

Veja também:
Juiz federal absolve Temer em caso de conversa com Joesley
Reinaldo Azambuja sanciona lei que institui ações de resgate ao civismo nas escolas
Líder do PSL na Câmara afirma em áudio que vai 'implodir' Bolsonaro
"Não tem lado A ou lado B", diz Bolsonaro sobre situação do PSL
Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz
Governo e Fiesp firmam acordo para capacitação de detentos
Após dez dias internado, general Villas Bôas recebe alta hospitalar
Após rusgas, Doria baixa o tom com Bolsonaro: 'Amigo dos brasileiros'
"Indignado com tentativa de me envolver", diz Collor sobre operação
Congresso aprova crédito suplementar para Justiça Federal e MPU
Ex-superintendente da PF no RJ assume combate a crimes financeiros
Délia espera ministro na próxima semana e "com boas notícias para saúde"
Em Brasília, Reinaldo Azambuja participa do VII Fórum de Governadores
'Querem me derrubar? Tenho couro duro', diz Bolsonaro sobre laranjas
Órgãos têm até 48 horas para apurar vazamento no Nordeste
PSDB articula para emplacar o vice na chapa de Marcos Trad
Ministério Público apresenta denúncia por desvios do fundo eleitoral
Para Bolsonaro, Justiça não deve validar mensagens obtidas ilegalmente
Beto Pereira é condenado a devolver R$ 400 mil por contrato irregular quando era prefeito
Nelsinho nega compra de sentença, mas reconhece processos citados em documento sigiloso da Omertà
Reinaldo Azambuja inicia terceira etapa do Governo Presente e destaca importância de ouvir as prioridades
Ex-candidato ao Senado deixa PSDB e visa disputar prefeitura
Previdência: votação do segundo turno deve ficar para segunda quinzena
Reinaldo Azambuja sanciona lei que obriga empresas a informar identidade de prestador de serviço
STF retoma hoje análise de tese que pode anular sentenças da Lava Jato
Ayres Britto: "Hackers e fake news são um atentado à ideia de Justiça"
Em 2 anos, programa "Saúde mais perto de você" atendeu mais de 25 mil pessoas em Ponta Porã
CCJ do Senado aprova relatório da reforma da Previdência
Governador e primeira-dama recebem homenagem em espetáculo que marca os 10 anos do Tocando Em Frente
Alcolumbre: reforma da Previdência pode ter mais de 60 votos no Senado
Deputado Jamilson Name diz que teme pela saúde do pai de 80 anos na prisão
Senado acata sugestão popular que libera uso medicinal da cannabis
Não tenho pretensão, mas não vou fugir, diz Moka sobre candidatura à prefeitura
“Potencial facínora”, diz Gilmar Mendes sobre ex-PGR Rodrigo Janot
Governo prestigia posse dos novos reitores da UEMS
Augusto Aras toma posse na Procuradoria-Geral da República
Em sabatina, Aras defende MP independente e separação dos Poderes
Em discurso na ONU, Bolsonaro destaca riqueza da Amazônia
Vereadores votam projeto que cria medalha em homenagem a jornalista
Bolsonaro diz que vai apresentar ao mundo Brasil em construção
Governador afirma que denúncia contra seu filho é covardia
STF julga na quarta se anula mais uma condenação da Lava Jato
Mourão compara narcotráfico no país à guerrilha
Reforma da Previdência pode ser votada em 1º turno nesta terça-feira
Bolsonaro tem até 4 de outubro para vetar ou sancionar lei eleitoral
Governo vai pavimentar rodovia que liga Norte do MS ao Pantanal e Bonito
Delcídio diz que não terminou missão e quer ser governador
Em visita a Ponta Porã, André Puccinelli lança o advogado Luiz Renê como pré candidato a prefeito
Após sair do PL, Délia se filia ao PTB em ato neste sábado na Capital
Reinaldo Azambuja cumpre nova rodada de reuniões com prefeitos da região Norte
Governo do Estado assina R$ 119 milhões em obras para saneamento em 16 municípios de Mato Grosso do Sul
Senado questionará ação da PF em gabinete de líder do governo
Mato Grosso do Sul recebe apoio para combate a incêndios
Alvo de buscas, líder de Bolsonaro no Senado deixa cargo à disposição
Governo Presente: inicia hoje atendimento aos prefeitos da região Norte
CCJ da Câmara aprova condução coercitiva de intimados por CPI
Alcides Martins assume PGR e anuncia retorno de membros da Lava Jato
Deputados votam hoje projeto do governo que pretende cassar aposentadoria
Senado faz última sessão de discussão da PEC da Previdência
Alcolumbre defende aprovação do PL do Fundo Partidário no Senado
Projeto que amplia posse de arma no campo é sancionado
Bolsonaro diz que sancionará projeto que amplia posse de arma no campo
Em 8 meses, deputados gastaram R$ 1,3 milhão em menu com vinho e camarões
Termina hoje prazo para apresentar emendas de mérito à Previdência
Bolsonaro fala sobre julgamento envolvendo autor de facada
Bolsonaro receberá alta à tarde e retorna a Brasília ainda hoje
Dinheiro Público: Deputado de MS diz que vai devolver dinheiro usado com bebida alcóolica
Três deputados de MS querem investigar Moro e Dallagnol
Bolsonaro continua com dieta cremosa, diz boletim médico
Izauri destaca apoio do Governo do Estado para a pavimentação e drenagem do Distrito Industrial de Navirai
Bolsonaro retira sonda nasogástrica e recomeça dieta líquida
Ministro Marcos Pontes é internado em Brasília
Governador veta proposta de alterar nome de policiais aposentados para veteranos
Augusto Aras participa de reunião de líderes do Senado
Projeto apoiado por Eduardo Bolsonaro 'libera' canabidiol
Senado terá semana de negociações para votar reforma da Previdência
Veja a repercussão da indicação de Augusto Aras para a PGR
Senado aguarda posição do governo para avançar com reforma tributária
Puccinelli faz passagem relâmpago pela Câmara
Advocacia do Senado emite parecer favorável a Eduardo Bolsonaro
Pesquisa Google
Pesquisa Google
Previsão do tempo
Publicidade
<
Copyright 2006 - 2019 JDCNotíciasMS. Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.