Um site a serviço do Estado - Ano VII - Campo Grande - Mato Grosso do Sul
Canais: 
Busca rápida
Cadernos
CAPA
CLÍNICAS MÉDICAS
COMPRAS - PEDRO JUAN - PARAGUAY
ARTIGOS
SAIBA AONDE SABOREAR AS DELÍCIAS DA CAPITAL
POLÍTICA
CONSTRUÇÃO CIVIL NA CAPITAL
NOTÍCIAS/INTERNET/TEC
MUNDO
TELEFONES ÚTEIS
HISTÓRIA DA PIZZA
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
BRASIL
NOTICIAS
POLICIA
FALE CONOSCO
MENSALÃO
ESPORTE NEWS
MOMENTO DE REFLEXÃO
SALMO 23 - 25
NOTA ZERO
NOTA 10
SAÚDE
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
RIO DE JANEIRO
HOTELARIA
JUSTIÇA
ECONOMIA
HORA DO RISO/PIADAS
TRAGÉDIA
FISCALIZAÇÃO PMR
EDUCAÇÃO
OPERAÇÃO LAVA JATO
OPERAÇÃO NOTA ZERO
LAMA ASFÁLTICA
GAECO
SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA FEDERAL
OPERAÇÃO RIQUIXÁ
GGIFRON
Publicidade
Publicações
08/10/2019 09:52
Corregedor cobra “máxima brevidade” para envio de provas sobre delegados
Operação Omertà

Campo Grande News
Aline dos Santos

Na operação, constam citações sobre as relações da família Name com delegados da Polícia Civil

Corregedor-geral, delegado Jairo Mendes pede compartilhamento de provas. (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

Corregedor-geral, delegado Jairo Mendes pede compartilhamento de provas. (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

A Corregedoria da Polícia Civil pede, “com a máxima brevidade”, que a Justiça autorize o compartilhamento de prova da operação Omertà, que investiga milícia e grupo de extermínio em Campo Grande.

Segundo o corregedor-geral, delegado Jairo Carlos Mendes, a medida é para “subsidiar procedimento no âmbito administrativo nesta casa censora”. A corregedoria é a responsável por investigar denúncias de irregularidade contra integrantes da Polícia Civil.

Conforme divulgado pelo Campo Grande News, há interceptações telefônicas em que delegados são citados por investigados. Há ainda trechos que falam da influência da família Name com delegados do primeiro escalão. Jamil Name e Jamil Name Filho são investigados, suspeitos de liderar grupo de milicianos.

Na operação Omertà, também constam citações sobre as relações da família Name com delegados da Polícia Civil. Um deles prestava serviços regulares. Porém, a relação poderia ter sido prejudicada por conta de trote do policial civil Marcio Cavalcanti, preso na ação, acusado de integrar o núcleo de apoio do grupo.

Em outro trecho, Jamil Name Filho foi recepcionado por policiais do 1ºDP (Distrito Policial) de Ponta Porã, com escolta digna de presidente dos Estados Unidos. A operação Omertà foi realizada em 27 de setembro e prendeu 19 pessoas.

A operação foi realizada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado), força-tarefa da Polícia Civil que investiga execuções na Capital, Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assalto e Sequestros) Batalhão de Choque e Bope. Omertà é um código de honra da máfia italiana, que faz voto de silêncio.

Veja também:
Jamil Name e filho são acusados de tráfico de armas, milícia privada, corrupção ativa e extorsão
A caminho de Mossoró, Name teve vários pedidos de soltura negados
Jamil Name, filho e dois policiais civis aguardam transferência para Mossoró
Presos na Omertà ocupam cela de 12 m² sem banho de sol em Presídio Federal
Gaeco decide ouvir Jamil Name e Jamilzinho por escrito em investigação
Desembargador abre mão de sigilo e pede para investigar suposta negociação de decisões
Omertà completa 1 semana com prisões, "compra de liminar e matança”
Vereadores e deputado são citados em ação contra milícia
Para o Gaeco, milícia foi criada a partir da estrutura do jogo do bicho
Pesquisa Google
Pesquisa Google
Previsão do tempo
Publicidade
<
Copyright 2006 - 2019 JDCNotíciasMS. Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.