Um site a serviço do Estado - Ano VII - Campo Grande - Mato Grosso do Sul
Canais: 
Busca rápida
Cadernos
CAPA
CLÍNICAS MÉDICAS
COMPRAS - PEDRO JUAN - PARAGUAY
ARTIGOS
SAIBA AONDE SABOREAR AS DELÍCIAS DA CAPITAL
POLÍTICA
CONSTRUÇÃO CIVIL NA CAPITAL
NOTÍCIAS/INTERNET/TEC
MUNDO
TELEFONES ÚTEIS
HISTÓRIA DA PIZZA
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
BRASIL
NOTICIAS
POLICIA
FALE CONOSCO
MENSALÃO
ESPORTE NEWS
MOMENTO DE REFLEXÃO
SALMO 23 - 25
NOTA ZERO
NOTA 10
SAÚDE
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
RIO DE JANEIRO
HOTELARIA
JUSTIÇA
ECONOMIA
HORA DO RISO/PIADAS
TRAGÉDIA
FISCALIZAÇÃO PMR
EDUCAÇÃO
OPERAÇÃO LAVA JATO
OPERAÇÃO NOTA ZERO
LAMA ASFÁLTICA
GAECO
SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA FEDERAL
OPERAÇÃO RIQUIXÁ
GGIFRON
Publicidade
Publicações
31/10/2019 18:22
“Se ele falou isso, lamento”, diz Bolsonaro sobre declaração de filho
Política

Agência Brasil
Por Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil  Brasília

Presidente comentou sobre o assunto na frente do Alvorada

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (31) que quem cogita a possibilidade de um novo AI-5 (Ato Institucional Número 5) no país “está sonhando”. A fala do presidente foi um comentário sobre a declaração de seu filho Eduardo Bolsonaro, deputado federal pelo PSL de São Paulo. Durante uma entrevista à jornalista Leda Nagle, veiculada no YouTube, o deputado disse que, se houver uma radicalização da esquerda, "a gente vai precisar ter uma resposta e uma resposta pode ser via um novo AI-5, pode ser via uma legislação aprovada através de um plebiscito como ocorreu na Itália, alguma resposta vai ter que ser dada”.

O presidente disse desconhecer as declarações do filho, mas afirmou que lamenta caso Eduardo tenha dito algo nesse sentido. "Ele é independente, tem 35 anos. Se ele falou isso, que eu não estou sabendo, lamento", disse Jair Bolsonaro.

Eduardo deu a declaração ao falar sobre os protestos de rua em outros países da América Latina.

Repercussão

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, que também preside o Congresso Nacional, emitiu nota sobre a fala do deputado Eduardo Bolsonaro. Alcolumbre disse que a democracia “é intocável sob o ponto de vista civilizatório”. “Não há espaço para que se fale em retrocesso autoritário. O fortalecimento das instituições é a prova irrefutável de que o Brasil é, hoje, uma democracia forte e que exige respeito.”

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também em nota, lembrou que o parlamentar, ao tomar posse, jurou respeitar a Constituição de 1988. Maia destacou ainda que a Carta Magna tem instrumentos para punir quaisquer grupos ou cidadãos que atentem contra seus princípios. “A apologia reiterada a instrumentos da ditadura é passível de punição pelas ferramentas que detêm as instituições democráticas brasileiras. Ninguém está imune a isso. O Brasil jamais regressará aos anos de chumbo.”

A Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) também se manifestou sobre o assunto. “Defender o Estado Democrático de Direito é dever de todos os brasileiros, especialmente por aqueles eleitos pelo voto direto. Por isso, é indispensável que a Comissão de Ética da Câmara dos Deputados, a casa do povo, tome urgentemente as providências cabíveis”, diz a frente.

O Diretório Nacional do PSL também publicou nota sobre a declaração do deputado Eduardo Bolsonaro. O partido disse que repudia “qualquer manifestação antidemocrática que, de alguma forma, considere a reedição de atos autoritários”.

A Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) destacou que a "democracia é conquista inegociável do povo brasileiro". "Conviver com a divergência de ideias e ações de forma civilizada é pressuposto básico de qualquer democracia e não justifica saudosismos autoritários", destaca a ANPR em nota.

Sobre o AI-5

Publicado dia 13 de dezembro de 1968, durante o governo de Costa e Silva, o Ato Institucional n° 5 (AI-5) é considerado o mais duro dos atos do período militar (1964-1985). O dispositivo autorizava o presidente da República a decretar o recesso do Congresso Nacional, das assembleias legislativas e das câmaras de vereadores, cassar mandatos de parlamentares e suspender direitos políticos dos cidadãos. Após a publicação do ato, o presidente Costa e Silva fechou o Congresso Nacional por tempo indeterminado. Segundo registro da Câmara dos Deputados, o Congresso só voltou a funcionar dez meses depois. A justificativa era assegurar a ordem e a tranquilidade no país.

Texto ampliado às 18h05

Edição: Narjara Carvalho

Veja também:
Governo paraguaio licita projeto para a construção da ponte sobre o Rio Paraguai
Moro comemora aprovação do pacote anticrime na Câmara
Câmara aprova regime de urgência para projeto do pacote anticrime
CCJ do Senado contraria acordo e pauta votação de segunda instância
Brasil e Paraguai devem assinar acordo automotivo
“Revogação da redução do pedágio é injusta”, lamenta Barbosinha
Projeto que amplia validade da habilitação deve ser votado este ano
Marçal diz que governar é valorizar a experiência da iniciativa privada
Viagem gratuita: projeto torna obrigatória divulgação de direito dos idosos
Apoio de Azambuja à reeleição de Trad racha executiva do PSDB
Congresso mantém veto a propaganda partidária na TV e no rádio
Eduardo Bolsonaro é suspenso do PSL e deve perder posto de líder
Governo dá aval para comissão reavaliar a previdência de militares
Rodrigo Maia recebe a maior premiação em evento da revista Istoé
Câmara aprova texto-base que altera regras do Imposto sobre Serviços
Jovem de 25 anos é preso suspeito de planejar ataque a Bolsonaro
Bolsonaro lamenta mortes em baile funk após chegada da PM
Reinaldo Azambuja anuncia pagamento do 13º salário
PF indicia Bivar por esquema de candidaturas laranja no PSL
Na Capital, Ministro Osmar Terra entrega veículos e participa de seminário da Primeira Infância
Bolsonaro: Brasil precisa dar garantias jurídicas a investidor
O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa ao sair do Palácio da Alvorada
Convidado a debater 2º instância Moro deve conversar antes com Maia
Banco Central será mais cauteloso com juros depois do fim do ano
Bruno Covas deixa hospital após 23 dias internado
Bolsonaro se reúne com primeiro-ministro da Índia
Instabilidade na Bolívia não deve pautar cúpula do Brics, diz Heleno
Bolsonaro assina medida provisória que extingue o Dpvat
Resultado de megaleilão do pré-sal divide opinião de senadores
Senado aprova PEC Paralela da Previdência em primeiro turno
Guedes diz que não há "ponto inegociável" no pacote econômico
Plenário da Câmara aprova projeto sobre armas; texto segue para Senado
CPI de Brumadinho aprova relatório que indicia 22 pessoas por tragédia
Após vídeo ofensivo, deputados estaduais contra-atacam parlamentar do PSL
Bolsonaro e Guedes vão ao Congresso propor novas reformas
Deputados devem analisar 11 matérias na Ordem do Dia desta terça-feira
Bruno Covas permanece internado devido a coágulo no coração
Bolsonaro volta a criticar a Rede Globo
Luiz Ovando desiste do PSL: não tenho mais clima para ficar
Senadores entregarão carta ao STF apoiando prisão em 2ª instância
Bolsonaro manda cancelar assinaturas da Folha no governo federal
Eduardo Bolsonaro se desculpa por declaração sobre AI-5
Imprensa não condena ninguém, quem condena é a Justiça, diz Reinaldo Azambuja
Na última sessão do mês, deputados devem apreciar oito matérias
Bruno Covas termina primeira sessão de quimioterapia
Ovando diz que Globo é irresponsável por ligar Bolsonaro ao caso Marielle
Moro pede que PGR apure citação a Bolsonaro em caso Marielle
É raro decisão do STF mudar condenação, afirma Cármen Lúcia
Projeto de Lei estabelece medidas de prevenção ao uso de drogas em universidades
Adultos na fase jovem podem ter preferência em exames para o diagnóstico de câncer
Deputados devem votar dois vetos e dois projetos na sessão desta quarta-feira
Câmara aprova PL que criminaliza desafios que induzem ao suicídio
Bolsonaro chama de deboche taxação da energia solar
Bolsonaro: fundo soberano árabe deve elevar investimento no Brasil
Traficantes de papagaios são presos e multados em R$ 70 mil em MS
TSE rejeita ação que questionava favorecimento da Record a Bolsonaro
Placar está em 2 a 1 para a execução antecipada da pena condenatória
Mourão viaja para o Peru e Alcolumbre assume a Presidência
Placar está em 1 a 1 para que condenados deixem de cumprir pena após condenação em segunda instância;
Vice-líder do PSL na Câmara, Luiz Ovando diz que briga nacional rachou legenda em MS
Bolsonaro diz que governo quer aprovar outras reformas
Em Ponta Porã, mesmo sem enfrentar oposição prefeito diz não existir eleição fácil
Senado rejeita dois primeiros destaques à reforma da Previdência
Senado inicia votação da reforma da Previdência em segundo turno
Previdência segue para fase final no plenário do Senado
Senado deve votar hoje, em segundo turno, a reforma da Previdência
Deputados devem votar 13 matérias na primeira sessão plenária da semana
Reforma está blindada, diz Tebet sobre crise no PSL
Com problemas de saúde, Zeca do PT deixa presidência do partido
Eduardo Bolsonaro é o novo líder do PSL na Câmara
"Caso único no mundo", diz Mourão sobre manchas de óleo no Nordeste
Paulo Corrêa considera absurda proposta de cobrança de energia gerada com painel solar
No Japão, Bolsonaro terá encontro bilateral com presidente da Ucrânia
Governador empossa Conselho Estadual de Cultura destacando valorização
Juiz federal absolve Temer em caso de conversa com Joesley
Reinaldo Azambuja sanciona lei que institui ações de resgate ao civismo nas escolas
Líder do PSL na Câmara afirma em áudio que vai 'implodir' Bolsonaro
"Não tem lado A ou lado B", diz Bolsonaro sobre situação do PSL
Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz
Governo e Fiesp firmam acordo para capacitação de detentos
Pesquisa Google
Pesquisa Google
Previsão do tempo
Publicidade
<
Copyright 2006 - 2019 JDCNotíciasMS. Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.