Um site a serviço do Estado - Ano VII - Campo Grande - Mato Grosso do Sul
Canais: 
Busca rápida
Cadernos
CAPA
CLÍNICAS MÉDICAS
COMPRAS - PEDRO JUAN - PARAGUAY
ARTIGOS
SAIBA AONDE SABOREAR AS DELÍCIAS DA CAPITAL
POLÍTICA
CONSTRUÇÃO CIVIL NA CAPITAL
NOTÍCIAS/INTERNET/TEC
MUNDO
TELEFONES ÚTEIS
HISTÓRIA DA PIZZA
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
BRASIL
NOTICIAS
POLICIA
FALE CONOSCO
MENSALÃO
ESPORTE NEWS
MOMENTO DE REFLEXÃO
SALMO 23 - 25
NOTA ZERO
NOTA 10
SAÚDE
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
RIO DE JANEIRO
HOTELARIA
JUSTIÇA
ECONOMIA
HORA DO RISO/PIADAS
TRAGÉDIA
FISCALIZAÇÃO PMR
EDUCAÇÃO
OPERAÇÃO LAVA JATO
OPERAÇÃO NOTA ZERO
LAMA ASFÁLTICA
GAECO
SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA FEDERAL
OPERAÇÃO RIQUIXÁ
GGIFRON
JORNALISMO
Publicidade
Publicações
05/01/2020 14:23
Trump ameaça atingir 52 alvos iranianos
Mundo

Por Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil  Brasília

Donald Trump, presidente dos Estados Unidos.
Reuters/Direitos Reservados

Presidente dos EUA reage a ameça do Irã em vingar a morte de Soleimani

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse, por meio de sua conta no Twitter, que se o Irã cumprir a ameaça de vingar a morte do general Qassem Soleimani, a resposta militar será “rápida e forte”, contra 52 alvos iranianos.

O número, segundo Trump, representa os 52 funcionários da embaixada dos EUA em Teerã, que foram feitos reféns durante invasão em 1979.

“O Irã está falando muito ousadamente sobre atingir certos alvos dos EUA como vingança por livrarmos o mundo de seu líder terrorista que acabara de matar um americano e ferir gravemente muitos outros, sem mencionar todas as pessoas que ele matou ao longo de sua vida, incluindo recentemente centenas de manifestantes iranianos”, disse Trump em seu Twitter.

Segundo o presidente norte-americano, o Irã há anos não passa de problema para os EUA. “Que isso sirva de alerta de que, se o Irã atingir qualquer americano ou ativos americanos, teremos como alvo 52 alvos iranianos (representando os 52 reféns americanos feitos pelo Irã há muitos anos), alguns deles de nível muito alto e importante para o Irã e para a cultura iraniana. Esses alvos e o próprio Irã serão atingidos rapidamente e com muita força”, acrescentou.

Trump afirma que seu país não aceitará mais ameaças e que revidará qualquer ataque que possa partir do Irã. “Se eles atacarem novamente, o que recomendo fortemente que não façam, nós os atingiremos com uma força jamais vista por eles”.

“Os Estados Unidos gastaram US$ 2 trilhões em equipamento militar. Somos os maiores e, de longe, os melhores do mundo! Se o Irã atacar uma base americana ou qualquer americano, enviaremos alguns desses equipamentos novos e bonitos em sua direção... e sem hesitação!”, completou.

Desde ontem (4), milhares de pessoas participam, em Bagdá, no Iraque, do início das cerimônias fúnebres de Qassem Soleimani com gritos de guerra e palavras de ordem de "morte à América". Em Khadhimiya, norte da capital iraquiana, outros milhares de pessoas se reuniram em um famoso santuário xiita para participar das cerimônias fúnebres.

Em pronunciamento feito na noite do dia 3, Trump disse que o ataque que resultou na morte do general Qassem Soleimani foi uma ação para parar e não para começar uma guerra. O presidente norte-americano classificou Soleimani como “o terrorista número 1 do mundo” e disse que o iraniano estava planejando ataques terroristas contra diplomatas e militares norte-americanos.

Também por meio de sua conta no Twitter, o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, postou que o país vai “honrar a memória do Major Soleimani” e declarou três dias de luto. O presidente da República Islâmica do Irã, Hassan Rouhani, acrescentou que a “resistência contra os excessos dos Estados Unidos vai continuar” e que “o Irã vai se vingar deste crime hediondo”.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zariff, afirmou que o “ato de terrorismo internacional” dos Estados Unidos, a força mais efetiva de luta contra o Estado Islâmico, é “extremamente perigoso e uma escalada tola”. O chanceler completou que os EUA são responsáveis pelo seu comportamento “aventureiro”.

O primeiro-ministro do Iraque, Adel Abdul Mahdi, condenou o ataque, classificando-o de uma “agressão ao Iraque, ao Estado, ao governo e ao seu povo”, bem como uma violação da condição das forças dos Estados Unidos no país.

Representantes do governo russo criticaram o ato e manifestaram apoio ao Irã. O diretor do Conselho da Europa para Relações Exteriores, Carl Bildt, apontou que a situação enfraquece o Iraque e faz o país mais propenso à atuação de grupos terroristas, como o Estado Islâmico.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, manifestou preocupação com a situação e advogou pela redução do aprofundamento dos conflitos no Golfo. “Este é um momento em que líderes devem exercitar sua cautela. O mundo não pode permitir uma nova guerra no Golfo”, pontuou.

O ministro das Relações Exteriores do Canadá, François-Phillipe Champagne, divulgou nota em tom semelhante na qual convoca os governantes dos países envolvidos “de todos os lados” para não permitirem a escalada do conflito. “Nosso objetivo continua sendo um Iraque estável e unido”, continuou, acrescentando que o país possuía preocupação com a atuação do general iraniano na região.

Entenda o caso

Comandante de alto escalão da Guarda Revolucionária do Irã, Qassem Soleimani foi morto no dia 2 de janeiro nos arredores do aeroporto de Bagdá. Soleimani era o comandante da unidade de elite Força Quds, uma brigada de forças especiais responsável por operações militares extraterritoriais do Irã que faz parte da Guarda Revolucionária Islâmica.

O governo dos Estados Unidos justificou a ação afirmando que as Forças Armadas do país “agiram preventivamente de forma decisiva, matando Qassem Soleimani para proteger os indivíduos americanos no exterior".

O presidente Donald Trump ordenou a morte do comandante da força de elite iraniana Al-Quds, general Qassem Soleimani, anunciou o Pentágono em um comunicado. Na nota, o Pentágono disse que Soleimani estava "ativamente a desenvolver planos para atacar diplomatas e membros de serviço norte-americanos no Iraque e em toda a região".

Edição: Liliane Farias

Veja também:
Tiroteio em pequena cidade da Alemanha deixam vários mortos
Celular de Jeff Bezos pode ter sido hackeado por príncipe saudita
Colômbia registra 10 líderes sociais assassinados em 2020, diz ONU
EUA assumem ataque aéreo que matou general iraniano em Bagdá
Bolívia expulsa embaixadora do México e dois diplomatas espanhóis
Disparo de míssil faz Netanyahu deixar comício em Israel
Arábia Saudita condena 5 pessoas à morte pelo assassinato de repórter
China recusa-se a participar de negociações nucleares com EUA e Rússia
Quinto dia de greve deixa Paris sem transporte público e congestionada
Sindicatos franceses decidem manter greve por tempo indeterminado
Trump diz que vai retomar tarifas a metais de Brasil e Argentina
Trump visita Afeganistão e diz que EUA estão reiniciando conversações
Protestos no Chile: presidente Sebastian Piñera diz à BBC que não renuncia, mas admite mudar Constituição da ditadura
Termina hoje prazo dado por manifestantes para que Morales renuncie
‘Parem, já me entreguei’: os detalhes e imagens da guerra após a prisão do filho de 'El Chapo' no México
Chile cancela duas cúpulas internacionais
Iraque tem dezenas de mortos em 48 horas de manifestações e violência
Evo diz que ganhou, mas oposição acusa fraude: a novela da eleição na Bolívia
Bolivianos vão às urnas para escolher presidente e outras autoridades
Serviço de metrô é interrompido em Hong Kong por protestos violentos
Por que políticos democratas temem o processo de impeachment de Trump?
Manifestantes em Hong Kong fazem manifestações às vésperas do Dia Nacional da China
Protestos dos "coletes amarelos" em Paris têm 163 pessoas presas
Talibã reivindica ataques em Cabul e em reunião de presidente afegão
Israel legaliza colônia na Cisjordânia a dois dias das eleições
Trump diz que irá manter pelo menos 8.600 soldados no Afeganistão
Violência volta a irromper protestos em Hong Kong
Macron diz ser tarde demais para novo acordo do Brexit
Número de brasileiros presos no exterior sobe 18% em um ano
EUA sofre dois ataques de atiradores em menos de 24 horas; pelo menos 29 morreram
Atirador invade área comercial e deixa feridos em El Paso, no Texas
Bombas assustam cúpula internacional na Tailândia
Justiça dos EUA dá sinal verde para que Trump construa muro
Coreia do Norte volta a lançar mísseis
Erupção de vulcão deixa 30 mil pessoas desabrigadas no Peru
Autoridades começam a inspecionar estúdio de animação incendiado
Presidente da França se esforça para manter acordo nuclear de pé
Chefe da Patrulha Fronteiriça era de grupo anti-imigração no Facebook
Incêndio mata 14 tripulantes de mini-submarino russo
Líderes mundiais em Osaka anunciam acordo do clima 19+1
'Vão procurar sua turma', diz Heleno a países sobre desmatamento
Maduro promete ser "implacável" com tentativa de golpe de Estado
EUA impõem novas sanções contra o Irã
Trump lança campanha à reeleição pedindo 'terremoto nas urnas'
Corpo de douradense é encontrado no rio Aquidauana
Fogo toma conta de terreno baldio e mobiliza moradores de condomínio
Venezuela reabre parte da fronteira com a Colômbia
Bolsonaro diz que definiu ações para aprofundar parceria com Argentina
Líder supremo do Irã diz que Teerã não negociará com EUA
Primeira-ministra britânica anuncia renúncia
Brasileiros mortos no Chile teriam alugado apartamento pela internet
Trump propõe novo plano migratório que valorize capacitação
No Texas, Bolsonaro se encontra com Bush e recebe homenagem
China reage a Trump e aumenta tarifas sobre produtos dos EUA
Fechada desde fevereiro, Venezuela reabre fronteira com Brasil
Incêndio em avião russo deixa pelo menos 41 pessoas mortas
Ciclone atinge Índia; mais de 1 milhão de pessoas são retiradas
Após Maduro declarar vitória contra 'golpe', Guaidó convoca novos atos
Brasil incentiva países a apoiarem Juan Guaidó
PSOE vence eleições na Espanha, mas sem maioria para governar
Espanhóis vão às urnas para escolher novo Congresso
Trump ameaça novamente fechar fronteira com o México
Humorista Zelensky vence eleição presidencial na Ucrânia
Acidente com ônibus turístico deixa pelo menos 28 mortos em Portugal
Assange é acusado de usar embaixada como centro de espionagem
Confrontos abalam capital da Líbia e milhares abandonam moradias
Fundador do WikiLeaks, Julian Assange é preso em Londres
Com 95% dos votos apuradores, Netanyahu tem leve vantagem
Brexit: May afirma que irá pedir adiamento para deixar UE
Bolsonaro condecora em Israel militares que trabalharam em Brumadinho
Bolsonaro chega a Israel e defende parcerias em segurança e defesa
Parlamento rejeita acordo do Brexit pela 3ª vez e May está na berlinda
Trump recebe mulher de Guaidó e pede que russos deixem a Venezuela
Cesare Battisti admite participação em 4 assassinatos na Itália
Número de mortos em naufrágio de barca no Iraque aumenta para 85
Trump diz que atuará para incluir Brasil na OCDE
Polícia da Holanda confirma 3 mortos e 9 feridos em tiroteio em bonde
Grupo ataca mesquitas e mata ao menos 49 pessoas na Nova Zelândia
Análise de caixas-pretas de avião será feita no exterior, diz Etiópia
Mario Abdo pedirá revogação do status de refugiado de dois paraguaios
Pesquisa Google
Pesquisa Google
Previsão do tempo
Publicidade
<
Copyright 2006 - 2019 JDCNotíciasMS. Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.