Um site a serviço do Estado - Ano VII - Campo Grande - Mato Grosso do Sul
Canais: 
Busca rápida
Cadernos
CAPA
CLÍNICAS MÉDICAS
COMPRAS - PEDRO JUAN - PARAGUAY
ARTIGOS
SAIBA AONDE SABOREAR AS DELÍCIAS DA CAPITAL
POLÍTICA
CONSTRUÇÃO CIVIL NA CAPITAL
NOTÍCIAS/INTERNET/TEC
MUNDO
TELEFONES ÚTEIS
HISTÓRIA DA PIZZA
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
BRASIL
NOTICIAS
POLICIA
FALE CONOSCO
MENSALÃO
ESPORTE NEWS
MOMENTO DE REFLEXÃO
SALMO 23 - 25
NOTA ZERO
NOTA 10
SAÚDE
GUIA DO COMÉRCIO DE CAMPO GRANDE
RIO DE JANEIRO
HOTELARIA
JUSTIÇA
ECONOMIA
HORA DO RISO/PIADAS
TRAGÉDIA
FISCALIZAÇÃO PMR
EDUCAÇÃO
OPERAÇÃO LAVA JATO
OPERAÇÃO NOTA ZERO
LAMA ASFÁLTICA
GAECO
SEGURANÇA PÚBLICA
POLÍCIA FEDERAL
OPERAÇÃO RIQUIXÁ
GGIFRON
JORNALISMO
HOMENAGEM
SANTOS
CORONAVÍRUS
Publicidade
Publicações
11/01/2020 07:59
Mourão diz que Brasil tem que ser solução, não problema
Brasil

Agência Brasil
Por Pedro Rafael Vilela - Repórter da Agência Brasil  Brasília

Presidente da República em exercício, Hamilton Mourão, durante Sessão Solene de posse dos novos dirigentes do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Vice-presidente concedeu entrevista exclusiva à EBC

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, defendeu uma atuação "independente e pragmática" do Brasil no cenário internacional. Em entrevista exclusiva à Empresa Brasil de Comunicação (EBC), nesta sexta-feira (10), ele fez uma breve análise do panorama geopolítico atual, reforçou a ideia de que o país deve buscar uma inserção soberana e colaborativa com as demais nações.

"O Brasil, tradicionalmente, sempre se voltou ao mundo de uma forma independente e pragmática. Nós temos que ter essa visão de perseguir os interesses do país. Costuma-se se dizer que, em relações internacionais, não existem amizades eternas nem inimigos perpétuos, existem apenas os nossos interesses. Essa é a visão que nós temos que continuar, buscando uma inserção soberana do país, apresentando o Brasil como solução, e não como problema, seja aqui no nosso entorno próximo, na América do Sul e, ao mesmo tempo, com as grandes nações, como Estados Unidos, que nós consideramos o grande farol da democracia, a China, nosso maior parceiro comercial, a Comunidade Europeia, a Rússia e a África, não podemos descuidar da África, um grande número de brasileiros veio de lá." 

Mourão tem tido uma atuação de destaque como representante do governo brasileiro em assuntos estratégicos da agenda internacional. Logo no início do mandato, em fevereiro do ano passado, ele foi designado pelo presidente Jair Bolsonaro para ser o principal representante do país na reunião do Grupo de Lima, em Bogotá, no auge do agravamento da crise política na Venezuela. O Grupo de Lima reúne países das Américas para tratar sobre as questões que envolvem o país vizinho.

Em maio do mesmo ano, Mourão fez uma visita oficial à China, onde reativou a Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban) e se reuniu com o presidente do país, Xi Jinping. Essa viagem serviu como importante preparação para a visita do presidente Bolsonaro ao país, alguns meses depois. O vice-presidente também foi o principal integrante da comitiva de autoridades brasileiras que foram ao Vaticano para assistir à cerimônia de canonização de Irmã Dulce, em outubro de 2019, em que manteve um rápido encontro com o papa Francisco. Mais recentemente, em dezembro, Mourão cumpriu outra missão diplomática importante: foi o representante brasileiro na posse do novo presidente da Argentina, Alberto Fernández.

Nas viagens que tem feito, o vice-presidente brasileiro diz que tem percebido um conjunto de mudanças estruturais em curso no mundo. "O cenário internacional não é simples, porque estamos vivendo três revoluções no mundo. A revolução do mais, que as pessoas passaram a ter mais acesso ao conhecimento, a informações, e, ao ter mais acesso, elas também querem mais. Temos a revolução da mobilidade, então as pessoas se deslocam mais facilmente, viajam e conhecem coisas diferentes. E temos a revolução da mentalidade, a juventude hoje mudou totalmente a sua mentalidade. O mundo enfrenta isso daí, gera intranquilidades e, ao mesmo tempo, existem as tensões sociais e econômicas, entre duas grandes economias, como a China e os Estados Unidos, com reflexos nos demais países e comunidades, digamos assim."

Ajuste fiscal e reformas

Hamilton Mourão fez um balanço do primeiro ano do governo Bolsonaro, em que destacou principalmente a aprovação da reforma da Previdência, que é, na sua opinião, base para a recuperação econômica do país. Ele também citou a reorganização administrativa do governo e a redução dos índices de criminalidade. "Tivemos um enxugamento da Esplanada dos Ministérios, não é simples você reduzir de 29 para 22 ministérios, como foi feito. Nós temos dificuldades de reestruturação disso aí. Ao mesmo tempo, a questão da segurança pública também foi colocada de forma primordial, o trabalho do ministro [da Segurança Pública, Sergio] Moro, da equipe dele, em conjunto com os governos estaduais, levou a que os resultados fossem extremamente expressivos."

Para 2020, o vice-presidente enfatizou a necessidade de aprofundamento das reformas e privatizações pretendidas pelo governo, além da continuidade do ajuste fiscal. "Na questão da economia, onde nós temos dois problemas sérios que têm ser enfrentados. Começou o ano passado, mas essa tarefa continua. Um é o ajuste fiscal, temos que trabalhar em cima da reforma administrativa, em cima das privatizações das empresas estatais, de modo que a gente consiga colocar receita e despesa equilibradas e, em consequência, o governo ter condições de investir em áreas onde hoje ele não tem condições de fazer. Ao mesmo tempo, temos que atacar na questão da baixa produtividade, fruto daquilo que é chamado custo Brasil. E aí entram os projetos na área de infraestrutura, por meio de parcerias público-privadas, as concessões que têm que ser feitas e, principalmente, a reforma tributária", afirmou.

Outra prioridade do governo, segundo Mourão, deve ser a agenda social. Ele citou a expectativa de reformulação de programas sociais do governo, como o Bolsa Família, e a meta de buscar um salto de qualidade na educação. "Temos que avançar na questão de uma educação de qualidade. Vamos lembar que a gente já conseguiu, nos últimos anos, conseguir colocar um grande número de crianças e jovens na escola, mas agora nós temos que fazer com que essas crianças e jovens efetivamente aprendam. Então, esse é o salto de qualidade que o Brasil tem que dar em termos educacionais. E também nos programas sociais que atingem aquela população que vive em situação de pobreza e extrema pobreza, que o presidente está definindo aí junto com o ministro Onyx [Lorenzoni, da Casa Civil] e os ministros ligados à área social."

Edição: Juliana Andrade

Veja também:
Copacabana Palace fecha as portas temporariamente devido à pandemia
Covid-19: Brasil tem 553 mortes e 12 mil casos confirmados
PIB do Brasil deve cair 2% em 2020, diz Fitch; América Latina deve encolher 2,6%
Ipea estima que 59 milhões são elegíveis para auxílio de R$ 600
Coppe desenvolve ventiladores pulmonares para combate ao coronavírus
Caixa começa a pagar hoje saque-aniversário do FGTS
Prazo para saque imediato de até R$ 998 do FGTS acaba amanhã
Moraes suspende trecho de MP sobre pedidos de acesso à informação
Covid-19: Brasil tem 46 mortes e mais de 2 mil casos confirmados
MP terá compensação de salário de empregados com contrato suspenso
No Brasil, 25 pessoas morreram em decorrência do novo coronavírus
Primeira sessão remota do Senado passa no teste
Clientes do cinco maiores bancos podem pedir prorrogação de dívidas
Copom faz 2ª reunião do ano para definir taxa básica de juros
Saúde atualiza para 200 os casos de infectados por coronavírus no país
Coronavírus: parlamentares discutem possível suspensão de atividades
Bolsa dispara 14% após quinta-feira tensa; dólar passa de R$ 4,80
Casos confirmados de coronavírus no Brasil sobem para 52
Brasil tem 433 casos suspeitos de coronavírus em 23 estados
Governo prorroga GLO no Ceará por uma semana
Resultado da inscrição para Fies e P-Fies sai nesta quarta
Coronavírus: brasileiros deixam quarentena na Base Aérea de Anápolis
STF adia decisão sobre decreto que facilita cessões pela Petrobras
MEC divulga hoje resultado da segunda chamada do ProUni
Congresso mantém vetos de Bolsonaro em sessão conjunta
Prioridade é reformular programa habitacional, diz Rogério Marinho
Aviões com brasileiros vindos da China chegam a Anápolis (GO)
Novo coronavírus: 28 casos suspeitos foram descartados no Brasil
Apenas ministros titulares podem utilizar avião da FAB, diz Bolsonaro
"Governo terá apoio do Congresso", diz Alcolumbre sobre coronavírus
Onyx diz que fica no cargo e afirma que Santini é “página virada”
Bolsonaro anuncia R$ 892 milhões para cidades atingidas por chuvas
"Temos que fazer mais", diz Moro sobre combate à corrupção no país
Governo deve editar MP para contratar empregados aposentados do INSS
Bolsonaro descarta recriação do Ministério da Segurança Pública
Lei anticrime entra em vigor hoje
Bolsonaro coordena reunião ministerial no Palácio da Alvorada
Bolsonaro vai a culto e tira fotos na Praça dos Três Poderes
Toffoli equipara teto salarial de universidades federal e estadual
Bolsonaro diz que Toffoli tem o direito de adiar juiz de garantias
Governo lança novo portal de compras governamentais
Por questões de segurança, Bolsonaro reavalia ida a Davos
Limite de juros para cheque especial começa a valer hoje
Contestada no Supremo, Lei de Abuso de Autoridade entra em vigor
Feriado de ano-novo foi menos violento nas rodovias federais
Virada em Copacabana reúne 2,9 milhões de pessoas, diz Riotur
Bancos funcionam hoje e fecham nesta terça-feira e no dia 1º
Bolsonaro pede que Congresso amplie posse e porte de armas
DPVAT será até 85,4% menor em 2020
Bolsonaro volta a surpreender turistas na Praça dos Três Poderes
Bolsonaro sanciona projeto anticrime aprovado pelo Congresso
Mesmo de repouso Bolsonaro recebe vice-presidente e ministro
Bancos abrem em horário especial amanhã
Indulto natalino terá capítulo especial para policiais, diz Bolsonaro
Congresso pode votar proposta de Orçamento na próxima semana
Em Brasília, Bolsonaro participa de comemoração do Dia do Marinheiro
Mourão se reúne com futuro embaixador argentino no Brasil
Senado aprova pacote anticrime
CCJ confirma aprovação de PL da prisão após condenação em 2ª instância
No Senado, CCJ aprova pacote anticrime e prisão em segunda instância
Novo partido de Bolsonaro é registrado em cartório
No Rio, Guedes diz que não há razão para pessimismo no país
Corregedor arquiva reclamação disciplinar contra Deltan Dallagnol
Aras destitui representante do MPF do conselho de direitos humanos
Bolsonaro comemora crescimento de 0,6% do PIB no trimestre
Desvalorização da moeda se deve a fatores externos, diz Bolsonaro
PF faz buscas em escritórios de advocacia em nova fase da Lava Jato
STF abre quarta sessão para julgar compartilhamento de dados
Câmara inicia na segunda-feira nova versão da Pauta Participativa
Bolsonaro reitera apoio a excludente de ilicitude em operações
Nenhum ministro fará parte do novo partido, diz Bolsonaro
Bolsonaro enviará hoje à Câmara projeto de excludente de ilicitude
Bolsonaro preside hoje reunião do Conselho de Governo
Senado pode concluir votação da PEC Paralela à Reforma da Previdência
Proclamação da República completa 130 anos
Bolsonaro sanciona com vetos Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2020
STF retoma julgamento de prisão após condenação em segunda instância
Pesquisa Google
Pesquisa Google
Previsão do tempo
Publicidade
<
Copyright 2006 - 2019 JDCNotíciasMS. Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.